Diabetes: sete hábitos que podem causar hipoglicemia

Jejum prolongado e não levar exercícios em conta são alguns erros

POR CAROLINA SERPEJANTE - PUBLICADO EM 14/11/2012

Tontura, mal estar, visão turva, sudorese, fome intensa, taquicardia e alteração do nível de consciência são sintomas do mal conhecido por hipoglicemia, recorrente entre pessoas com diabetes e caracterizada por níveis de glicose abaixo dos 60mg/dL - os valores ideais estão na faixa entre 70mg/dL e 99mg/dL. De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, pelo menos metade dos portadores de diabetes tipo 1 sofrem episódios de hipoglicemia uma vez por mês, mal que também afeta alguns pacientes de diabetes tipo 2, ainda que mais raramente.

Dados divulgados em 2012 pela pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), mostram que cerca de 5,6% da população brasileira adulta sofre de diabetes e, realmente, está preocupada em controlar o excesso de açúcar no sangue. "Entretanto, a falta de glicose pode causar danos como crises convulsivas e coma, que podem inclusive levar à morte", alerta o nutrólogo Gabriel Biancardi, do Hospital 9 de Julho, em São Paulo. No Dia Mundial do Diabetes (14 de Novembro), livre-se dos erros alimentares na hora de controlar o açúcar no sangue e evite a hipoglicemia:

Pular refeições

Essa é uma das principais causas de hipoglicemia na pessoa com diabetes. Ficando longos períodos sem se alimentar, os níveis de açúcar no sangue caem naturalmente, mas não o suficiente para causar hipoglicemia em uma pessoa que mantem uma dieta saudável. Isso porque o organismo percebe a queda e diminui a produção de insulina, de modo que o açúcar seja usado de forma mais lenta, ou então começa a produzir o glucagon, hormônio que faz o fígado converter algum glicogênio em glicose, para então liberar o açúcar no sangue. "Esse sistema não funciona adequadamente quando se tem diabetes, dificultando esse equilíbrio dos níveis de açúcar no sangue e levando à hipoglicemia", afirma o endocrinologista Fernando Spagnoulo, responsável pelo Ambulatório de Endocrinologia do Centro Integrado de Saúde na Faculdade Anhembi Morumbi. Por isso, é de extrema importância comer a cada três horas sem pular nenhum lanche ou refeição principal.