Pesquisa relaciona refrigerante diet a maior risco de depressão

Consumir quatro copos ou mais por dia aumenta chances em 30%

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 09/01/2013

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Saúde da Carolina do Norte (EUA) verificou uma possível ligação entre o consumo de bebidas diet e um maior risco de depressão. O estudo foi financiado pelos programas americanos de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde, do Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental e do Instituto Nacional do Câncer. Os resultados foram apresentados na reunião anual da Academia Americana de Neurologia, mas ainda não foi descoberta a causa dessa relação.

Os autores analisaram os dados de 264 mil pessoas com mais de 50 anos de idade. Quando eles entraram no estudo, os participantes foram questionados sobre a frequência com que consumiam bebidas diet e outras. Cerca de 10 anos depois, eles foram perguntados se tinham sido diagnosticados com depressão ao longo da década anterior.

A análise revelou que pessoas que bebiam mais de quatro latas ou copos de refrigerante diet por dia tinham um risco cerca de 30% maior de desenvolver depressão ao longo do período de acompanhamento do que aqueles que não ingeriam esse tipo de bebida. Quem bebia refrigerante tradicional apresentou um risco 22% maior.

Os pesquisadores observaram que mais pesquisas são necessárias para confirmar as descobertas. Eles advertem ainda que os resultados se aplicam aos objetos do estudo - pessoas acima de 50 anos vivendo nos Estados Unidos -, mas podem não ser repetidos em outras amostras.

Atente para sete sinais da depressão
A depressão é uma doença que afeta mais de 350 milhões de pessoas de todas as idades, gêneros e etnias, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. "Adotar atitudes mais saudáveis protegem seu corpo contra os sintomas da depressão, mas é preciso buscar tratamento depois que a doença se instala", afirma o psiquiatra Ricardo Alberto Moreno, professor doutor do Instituto de Psiquiatria da USP. Se você apresentar, ao menos, um dos sinais listados a seguir e achar que ele tem prejudicado a sua rotina, aproveite para procurar um especialista.

Dormir pouco

"A falta do sono é um dos gatilhos para o aparecimento da depressão", afirma o psiquiatra Ricardo Alberto Moreno, professor doutor do Instituto de Psiquiatria da USP. Segundo o especialista, o organismo é regido pelo claro e escuro, ou seja, dia e noite. Assim, do ponto de vista biológico, você está programado para a realização de atividades no período diurno e para o repouso no período noturno. "Inverter essa ordem ou reduzir o tempo que deveria ser destinado ao sono provoca desequilíbrios físicos e psicológicos", diz.

Enquanto dorme, o seu corpo libera hormônios, a atividade cerebral sofre alterações e a temperatura varia para permitir um bom desempenho das tarefas ao acordar. Interromper esse ciclo, portanto, pode afetar o metabolismo como um todo e servir de gatilho à depressão. O cuidado especial deve ficar por conta dos mais jovens. "Com uma rotina tão agitada e diante de tantos estímulos, como celular, computador e televisão, o sono tem sido deixado em segundo plano", diz o especialista.