Substituir gordura animal por vegetal pode aumentar o risco de mortalidade

Estudo mostra que ambos os alimentos devem ser consumidos com moderação

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 06/02/2013

A gordura saturada ou de origem animal é conhecida por aumentar os níveis de colesterol total e de triglicérides, favorecendo a ocorrência de doenças cardiovasculares. A gordura poli-insaturada ou de origem vegetal, por outro lado, reduz o colesterol ruim e pode atuar na prevenção do diabetes, o que leva muitas pessoas a pensar que a substituição da primeira por vegetal traria apenas benefícios. Entretanto, um estudo publicado ontem no British Medical Journal mostrou que a simples troca pode ser prejudicial.

A descoberta faz parte da revisão de um trabalho realizado com mais de 400 homens de 30 a 59 anos entre 1966 e 1973 na Austrália. Os participantes já haviam sofrido problemas cardíacos e foram divididos em dois grupos. Um deles recebeu a orientação de reduzir o consumo de gordura saturada para menos de 10% das calorias ingeridas por dia e aumentar a poli-insaturada com óleo vegetal e margarina de seis para 15% das calorias diárias ingeridas. O outro grupo manteve a dieta usual.

Os resultados mostraram que os homens que aderiram ao óleo vegetal tiveram uma mortalidade mais alta do que os demais. Isso mostra que não basta rotular os tipos de gordura como bons ou ruins, é preciso consumir tanto uma como a outra com moderação. Mesmo o ômega 3, famoso por sua ação anti-inflamatória no corpo, deve ser consumido dentro de um padrão estabelecido para não causar prejuízos.

Especialistas recomendam limitar o consumo de ambas as gorduras a 10% das calorias diárias e sempre consultar um nutricionista para definir o melhor cardápio para cada indivíduo. A seguir, veja como os diferentes tipos de gordura atuam no corpo e entenda a sua importância na dieta:

Cérebro

As gorduras compõem cerca de 60% do cérebro e não podem faltar numa dieta de quem deseja ter memória afiada e raciocínio rápido. A nutricionista Fabiana Honda, de São Paulo, explica que a maioria dessas gorduras são ácidos graxos poliinsaturados, como o ácido araquidônico e o ácido decosahexanóico (chamado de DHA, um tipo de ômega 3). "O equilíbrio entre ômega-3 e ômega-6 protege a estrutura responsável pela transmissão do estímulo de um neurônio para o outro", afirma o nutrólogo Roberto Navarro, de São Paulo, lembrando que o ideal é igualar o consumo destes dois ômegas.

"O ômega-3 pode aumenta o número de sinapses (conexões entre os neurônios), uma vez que o DHA está presente na constituição da mielina, responsável pela transmissão de impulsos nervosos. Mais estudos estão sendo realizados para confirmar o potencial dessa gordura na prevenção e melhora do Alzheimer e da depressão", diz Fabiana. O ômega-3 é encontrado peixes de águas frias e profundas como salmão, arenque, sardinha e atum. O ômega-6 aparece nos ovos, no leite, nas carnes vermelhas e no óleo de girassol, por exemplo.