Carne vermelha: como deixá-la menos gordurosa e mais nutritiva

Nutricionistas sugerem modo de preparo para cortes duros ganharem maciez

POR LAURA TAVARES - ATUALIZADO EM 14/09/2016

Brasileiros são grandes consumidores de carne vermelha. O alimento pode marcar um almoço em família, está disponível em self-services e nunca falta em um bom churrasco. A recomendação geral, entretanto, é de que a ingestão de carne seja limitada a duas vezes por semana para não aumentar os níveis de colesterol e gordura no sangue. Parece pouco? "Lembre-se de que o consumo de frango, peixe e ovos também deve fazer parte do cardápio semanal", aponta a nutricionista Cátia Medeiros, da Atual Nutrição, em São Paulo. Mas não é apenas a quantidade que importa. A qualidade do que se come também desempenha papel fundamental na dieta. Por isso, investigamos as principais características da carne vermelha que devem ser levadas em conta nas suas próximas compras. Confira:

Cortes magros x cortes gordos

Segundo a nutricionista Barbara Gerbasi Ortolani, da RG Nutri, em São Paulo, os cortes que apresentam maior quantidade de gordura são a costela, com 28 g de gordura a cada 100 g de carne; a fraldinha, com 26 g de gordura a cada 100 g de carne e a picanha, com 20 g de gordura a cada 100 g de carne. Já os cortes mais magros são o patinho, a maminha e o músculo, com 7 g de gordura a cada 100 g de carne. Vale lembrar que 100 g é o peso de um bife de tamanho médio. Além disso, boa parte das calorias das carnes mais gordurosas pode ser dispensada com a eliminação da gordura aparente. Um pedaço de 100 g picanha pode perder até 80 calorias desprezando-se a gordura aparente. O mesmo peso de contra filé pode perder até 121 calorias com o procedimento.