Embalagens preservam os nutrientes, mas pedem cuidados na hora da compra

Compare vidro, aço, alumínio, entre outros tipos, e saiba como evitar os riscos à saúde

POR ROBERTA LEMGRUBER - PUBLICADO EM 20/06/2013

Nas prateleiras do mercado, o que não falta são embalagens. De plástico fosco ou transparente, vidro, alumínio, aço, papelão ou feita com outros materiais, é difícil saber qual conserva melhor cada tipo de alimento. Algumas têm como pilar a praticidade, como os biscoitos em embalagens individuais, enquanto outras prezam mais pela apresentação, como por exemplo, o azeite envasado na embalagem de vidro que fica na mesa durante as refeições. Em comum, todos os tipos precisam garantir que o alimento ali conservado será consumido em perfeitas condições.

"A embalagem é pensada para manter a integridade total do alimento desde a sua distribuição até o final do prazo de validade", explica a diretora executiva da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE), Luciana Pellegrino. Segundo ela, a embalagem está atrelada diretamente a questão de saúde pública, sendo responsável por preservar a qualidade nutricional dos alimentos e o seu frescor.

O problema é que as embalagens também escondem seus mistérios. Como saber, por exemplo, que tipo de embalagem é melhor para conservar carnes? Ou então, o que aponta que uma embalagem pode trazer perigos à saúde do nosso organismo? Isso mesmo, de protetoras de alimentos, elas podem agir como verdadeiras guardiãs de fungos e bactérias, causando prejuízos enormes ao organismo. A primeira dica a gente entrega já: nunca compre alimentos que estejam em uma embalagem rompida! "No momento em que a embalagem foi aberta, o produto lá dentro já está em processo de degradação", alerta Luciana Pellegrino. Hoje em dia, o lacre está cada vez mais visível para que o consumidor repare se ele está rompido. Além disso, verifique sempre a data de validade dos produtos.

Logo abaixo confira saiba quais tipos de embalagens são os mais adequados conforme o tipo de alimento e os cuidados na hora de comprá-las:

Sachês

Praticidade é a palavra-chave para as embalagens do tipo sachê. Alimentos como sal, açúcar, cremes, geleias, doces, molhos, temperos, derivados de leite, queijos fundidos estão disponíveis nessa embalagem. "São produtos que vem em porções ou doses unitárias que apareceram para facilitar a vida moderna. São feitos de materiais laminados transparentes ou opacos que fazem barreira para os gases, vapores e luz, garantindo a boa conservação dos produtos. Em geral, devem ser fáceis de abrir, usar e descartar", diz o professor da Unicamp Carlos Alberto dos Anjos.

Uma vantagem dos sachês é que como trata-se de uma embalagem individual, você não tem que guardar o alimento e preocupar-se com a preservação do que "sobrar". Você abre, consome e descarta a embalagem, guardando os outros sachês na caixa em que vieram. Itens de geladeira como queijos e molhos, devem ser preservados em temperaturas baixas, enquanto não são consumidos. Já opções não perecíveis, como açúcar ou cappuccino em pó em sachês, podem ser conservados em temperatura ambiente. As condições de ambiente em casa significam em locais frescos, ao abrigo da luz e ventilado, preferencialmente.

Cuidados na hora da compra

A embalagem deve ser fácil de abrir através de um picote próprio. Fique atento. Há risco de degradação do alimento se houver vazamentos, sujeira ou enrugamentos na embalagem.