Embalagens preservam os nutrientes, mas pedem cuidados na hora da compra

Compare vidro, aço, alumínio, entre outros tipos, e saiba como evitar os riscos à saúde

POR ROBERTA LEMGRUBER - PUBLICADO EM 20/06/2013

Nas prateleiras do mercado, o que não falta são embalagens. De plástico fosco ou transparente, vidro, alumínio, aço, papelão ou feita com outros materiais, é difícil saber qual conserva melhor cada tipo de alimento. Algumas têm como pilar a praticidade, como os biscoitos em embalagens individuais, enquanto outras prezam mais pela apresentação, como por exemplo, o azeite envasado na embalagem de vidro que fica na mesa durante as refeições. Em comum, todos os tipos precisam garantir que o alimento ali conservado será consumido em perfeitas condições.

"A embalagem é pensada para manter a integridade total do alimento desde a sua distribuição até o final do prazo de validade", explica a diretora executiva da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE), Luciana Pellegrino. Segundo ela, a embalagem está atrelada diretamente a questão de saúde pública, sendo responsável por preservar a qualidade nutricional dos alimentos e o seu frescor.

O problema é que as embalagens também escondem seus mistérios. Como saber, por exemplo, que tipo de embalagem é melhor para conservar carnes? Ou então, o que aponta que uma embalagem pode trazer perigos à saúde do nosso organismo? Isso mesmo, de protetoras de alimentos, elas podem agir como verdadeiras guardiãs de fungos e bactérias, causando prejuízos enormes ao organismo. A primeira dica a gente entrega já: nunca compre alimentos que estejam em uma embalagem rompida! "No momento em que a embalagem foi aberta, o produto lá dentro já está em processo de degradação", alerta Luciana Pellegrino. Hoje em dia, o lacre está cada vez mais visível para que o consumidor repare se ele está rompido. Além disso, verifique sempre a data de validade dos produtos.

Logo abaixo confira saiba quais tipos de embalagens são os mais adequados conforme o tipo de alimento e os cuidados na hora de comprá-las:

A vácuo

A aplicação de vácuo elimina o oxigênio do interior das embalagens protegendo melhor os produtos, principalmente aqueles que apresentam níveis de gordura elevados e que podem sofrer alterações por crescimento de fungos e bolores. De acordo com o especialista em embalagens, Carlos Alberto dos Anjos, trata-se de um sistema de embalagem de custo mais elevado, porém de melhor proteção em relação aos mesmos produtos acondicionados sem vácuo.

"Peças de carnes bovina, suína e outras, mais nobres são oferecidas no mercado em embalagens a vácuo que, além de melhorar a qualidade por proporcionar certa maturação, mantém o sabor e aroma bem próximos do natural. Outros produtos congelados também podem utilizar embalagens a vácuo, como massas prontas e alguns vegetais minimamente processados", enumera o engenheiro de alimentos.

Cuidados na hora da compra

Verifique se a embalagem mostra ausência completa de ar em seu interior, caso contrário, não adquirir! A presença de vazamentos e rasgamentos podem ser indícios de problemas no manuseio e comprometem a integridade do alimento. E na hora de guardar? Os legumes a vácuo, por exemplo, principalmente aqueles minimamente processados, devem estar sempre na geladeira, em embalagens que protejam da perda de umidade e devidamente fechados.