Deficiência de vitamina D tem relação com mortalidade por doenças cardiovasculares

Falta do nutriente também aumenta o risco de pior prognóstico do câncer, diz estudo

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 18/06/2014

Uma nova pesquisa publicada no BMJ liga falta de vitamina D ao aumento do risco de morte por todas as causas - incluindo doenças cardiovasculares - e pode mesmo desempenhar um papel no prognóstico do câncer. O estudo foi desenvolvido por pesquisadores da Division of Clinical Epidemiology and Aging Research do German Cancer Research Center, na Alemanha.

Para o trabalho, foram analisados dados de oito estudos de base populacional da Europa e dos EUA, envolvendo 26.018 participantes entre as idades de 50 e 79 anos. Indivíduos foram acompanhados por 16 anos.
Os pesquisadores descobriram uma associação entre baixos níveis de vitamina D e mortalidade por todas as causas - incluindo doenças cardiovasculares e câncer. Durante o acompanhamento, aconteceram 6.695 óbitos, sendo 2.624 mortes por doenças cardiovasculares e 2.227 por cancro.

Foi encontrada uma ligação entre os participantes com os níveis mais baixos de vitamina D - como determinado pelo exame 25-hidroxivitamina-D - e morte por doenças cardiovasculares. Esta associação foi encontrada em participantes com e sem histórico da doença.

Os autores também notaram uma associação entre níveis baixos de vitamina D e de morte por câncer entre os participantes com histórico da doença. No entanto, nenhuma associação foi encontrada entre os participantes sem histórico de câncer, dizem os pesquisadores, o que indica que a vitamina D pode ser importante no prognóstico do câncer. Mas a equipe ressalta que não se pode excluir a causalidade reversa, ou seja, de que o câncer pode ter levado a baixos níveis de vitamina D.

De acordo com os cientistas, essa pesquisa mostra a importância de mantermos níveis adequados de vitamina no organismo durante toda a vida, mas ainda não justifica a suplementação. Para isso, mais estudos são necessários.

Especialistas esclarecem 12 dúvidas sobre a vitamina D
A vitamina D é um hormônio esteroide lipossolúvel que pode ser obtido após exposição solar ou por meio da alimentação. Esta substância é essencial para o corpo humano e sua ausência pode proporcionar uma série de complicações. "É só pensar no que representa para o organismo a falta desta vitamina que controla 270 genes, inclusive células do sistema cardiovascular", diz o neurologista Cícero Galli Coimbra, professor associado e pesquisador da Universidade Federal de São Paulo.

A vitamina D é necessária para a manutenção do tecido ósseo, ela também influencia consideravelmente no sistema imunológico, sendo interessante para o tratamento de doenças autoimunes, e no processo de diferenciação celular, a falta deste nutriente favorece 17 tipos de câncer. "Esta substância ainda age na secreção hormonal e em diversas doenças crônicas não transmissíveis, entre elas a Síndrome Metabólica que tem como um dos componentes o diabetes tipo 2", diz a nutricionista Natielen Jacques Schuch, professora do Centro Universitário Franciscano UNIFRA.

Existem ainda uma série de outros benefícios que a vitamina D proporciona para o organismo. "Infelizmente, cerca de 80% das pessoas que vivem no ambiente urbano estão deficientes nesta substância", constata Coimbra. Conversamos com especialistas neste nutriente e esclarecemos doze dúvidas frequentes sobre ele. Confira.

Quais alimentos são ricos em vitamina D?

Os alimentos que possuem boas quantidades de vitamina D são: o salmão, 100 gramas têm 685 unidades, atum, 100 gramas contam com 227 unidades, sardinha, 100 gramas possuem 193 unidades, ovo, um ovo possui 43,5 unidades, queijo cheddar, 50 gramas possuem 12 unidades, e carne bovina, 100 gramas contam com 15 unidades. Note que todos eles são de origem animal porque as fontes vegetais não conseguem sintetizar a vitamina da maneira como os alimentos provenientes de animais.