Produtos lácteos integrais reduzem o risco de diabetes tipo 2, diz estudo

Pesquisa foi feita com 27 mil pessoas e também mostrou que carnes vermelhas favorecem o diabetes

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 06/01/2015

Produtos lácteos integrais estão relacionados ao menor risco de diabetes tipo 2, segundo pesquisa. A descoberta foi publicada no American Journal of Clinical Nutrition e o estudo foi realizado pela Universidade de Lund na Suécia.

O estudo apontou que as pessoas que ingerem produtos lácteos com maior teor de gordura tem um risco 23% menor de desenvolver o diabetes tipo 2. Já o alto consumo de carne vermelha foi associado ao maior risco do diabetes tipo 2, independente do teor de gordura.

Os pesquisadores estudaram os hábitos alimentares de 27 mil indivíduos com idades de 45 a 74 anos. Os participantes tomaram parte no estudo no início de 1990, e forneceram detalhes de seus hábitos alimentares por mais de 20 anos. Após esses período, 10% do grupo desenvolveu o diabetes tipo 2, totalizando 2860 pessoas.

O principal objetivo do estudo da Universidade de Lund foi observar a ação de diferentes fontes de gorduras saturadas em relação ao risco de diabetes tipo 2. Tanto os produtos lácteos integrais quanto as carnes vermelhas possuem boas quantidades de gorduras saturadas. Contudo, alguns ácidos graxos saturados são mais comuns em leite e derivados do que nas carnes vermelhas. Os pesquisadores acreditam que isto faz com que um deles ajude a prevenir o diabetes tipo 2, enquanto o outro favorece a doença. A seguir, esclareça 14 mitos e verdades sobre o leite na alimentação:

1. O leite orgânico é mais seguro que o leite normal


Mito, os dois são seguros para o consumo. "A diferença do orgânico é que as vacas produtoras não recebem hormônios ou antibióticos para aumentar a produção de leite", esclarece a nutricionista Patrícia. Essas vacas também não se alimentam de pastos com fertilizantes, o que torna o leite orgânico mais puro e a opção que mais preserva o meio ambiente.

No entanto, o governo brasileiro estabelece regras rígidas de segurança para garantir que todo leite comercializado esteja livre de resíduos que possam ser prejudiciais ao organismo. Por isso, tanto a versão convencional quanto a orgânica são consideradas seguras.