Amaranto ajuda a combater colesterol ruim

Grão também não causa alterações na produção de colesterol bom

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 26/08/2011

Um estudo feito pela Universidade de Campinas (UNICAMP), diz que o amaranto, um grão que pode ser usado de diversas formas na culinária, ajuda a combater a aterosclerose e os altos níveis de colesterol ruim, o LDL, no sangue. Esse tipo de colesterol é aquele que forma as placas de gorduras que podem entupir as artérias, causando infartos e derrames.

O estudo foi realizado com um grupo de 18 pessoas com síndrome metabólica, que envolve problemas como pressão alta, obesidade e colesterol alto. Elas foram orientados a consumir, durante o período de um mês, 30 gramas de farinha de amaranto diariamente, o que equivale a uma colher de sopa.

PUBLICIDADE
Dieta para o colesterol alto

Antes e depois desse período, os pesquisadores fizeram exames de sangue em cada um dos participantes. Após analisar os resultados, os cientistas notaram uma sensível queda nos níveis de LDL. Segundo eles, proteínas, fibras e óleos encontrados no amaranto podem ser os responsáveis por essa diminuição da quantidade de colesterol ruim no sangue.

Além disso, os autores do estudo afirmam que o amaranto contém esqualeno, um antioxidante que inibe a produção de uma enzima responsável pela síntese de colesterol ruim, sem alterar a produção do HDL, conhecido como colesterol bom.

Canela também reduz níveis de colesterol

Bastante conhecida por suas propriedades antissépticas e pelo sabor que dá aos alimentos, em especial aos doces, a canela pode ser mais um aliado na luta contra o colesterol. Um estudo realizado pelo Kansas State University, nos Estados Unidos, constatou que consumir meia colher de sopa por dia da especiaria tem papel importante no combate ao colesterol.

Foram avaliados 700 voluntários com idades entre 20 e 55 anos que apresentavam altos índices de colesterol ruim (LDL). Eles foram divididos em dois grupos: 350 pacientes ingeriram uma dose diária de ½ colher de sopa de canela, enquanto os outros 350 não receberam doses da especiaria.

Após seis meses de estudos, observou-se que 70% dos pacientes que incluíram a canela em sua dieta tiveram uma redução de 10% dos níveis do colesterol ruim, 30% em suas triglicérides (gorduras do sangue), e de 1% a 26% do colesterol total. Já os que não receberam a dose, não apresentaram melhora.

Os pesquisadores acreditam que tal redução é resultado da ação dos antioxidantes, que ajudariam a eliminar parte da gordura ruim que ingerimos com maior rapidez.