Não Fuja da Balança dá dicas para chegar ao verão com o corpo magro e definido

Programa Atualíssima retrata três mulheres e um sonho em comum: a busca do peso ideal

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 29/08/2008

O novo quadro do programa Atualíssima, da Band, está fazendo sucesso entre as mulheres que estão em busca de um corpo mais magro e definido. Na gincana, as participantes Núbia Oliver, Teresa Novaes e Rita de Cássia Silva Gomes sonham com um corpo de medidas a menos e têm todo o apoio para chegar lá, incluindo consultas com a nutricionista e com o médico endocrinologista, aulas de ginástica e aquele apoio especial quando a auto-estima baixa ameaça sabotar o esforço caso da Rita, que ganhou um dia de beleza no salão para repaginar o visual.

O acompanhamento personalizado é fundamental para que o regime funcione e atenda ao seu perfil:

1. Falsa magra: é o caso da Núbia Oliver, que concentra gordura em algumas partes do corpo, principalmente na região dos culotes e do abdômen

2. Mulher com Sobrepeso: os quilos a mais distribuem-se por todo o corpo, é o caso da Teresa e da Rita

3. Obesidade: é o caso extremo, envolvendo mulheres com IMC acima de 30 e dificuldade para praticar atividades simples do dia-a-dia, ocasionando problemas para saúde.

Falsa Magra: Núbia Oliver
Quem representa a falsa magra no programa Não Fuja da Balança é a modelo Núbia Oliver, com 94 cm de busto, 82 cm de cintura, 98 cm de quadril, 69 quilos e IMC de 23. A nutricionista Juliana Pansardi, da Clínica Corpore, afirma que o caso de Núbia é um dos mais comuns entre as mulheres brasileiras. Mesmo as magras podem esconder pequenas quantidades de gordura, precisando ganhar músculos (massa magra) e eliminar a gordura do corpo. Em geral, elas têm IMC dentro da faixa considerada normal: 18,5 e 25 (normal), mas com gordura em excesso .

O ideal para quem se encaixa neste perfil é restringir os excessos alimentares, evitando as frituras e os doces, principalmente. É o caso da atriz Grazi Massafera que, mesmo com aquele corpão, sofre com o colesterol alto e precisa controlar a alimentação. A prática exercícios físicos, como caminhada, corrida ou musculação também é fundamental para acelerar a queima de gordura.

Mulheres com Sobrepeso: Teresa Novaes e Rita de Cássia
Essa é a faixa de peso onde se concentra a maior parte da população mundial, incluindo as participantes Teresa Novaes (99 cm de busto, 88 cm de cintura, 110 cm de quadril e 73 quilos) e Rita de Cássia (101 cm de busto, 86 cm de cintura, 103 cm de quadril e 79 quilos). As duas apresentam 27 de IMC, sendo que a faixa de sobrepeso comporta pessoas com o IMC entre 25 e 30.

As mulheres que estão nessa situação, não são consideradas nem magras, nem obesas. Mas apresentam gordurinhas a mais. Mesmo que isso não atrapalhe nem o social nem o psicológico, é essencial tomar grande cuidado. Já se sabe que a taxa de gordura abdominal indica um risco maior de problemas de saúde, como diabetes, hipertensão e doenças do coração. Mulheres precisam ter circunferência abdominal com até 88 cm e homens com 100 cm, no máximo.

Em primeiro lugar, é preciso mudar os hábitos alimentares, mantendo uma alimentação balanceada. Muitas pessoas com sobrepeso são vítimas de inchaços por conta de retenção de líquido, então maneirar com a quantidade de sal utilizada no preparo dos alimentos é essencial. Consumir diariamente legumes, verduras e frutas, em substituição ao excesso de carboidratos, gorduras e doces ajuda a combater a ansiedade, diminui o apetite e inibe a compulsão por açúcar. Começar uma prática de exercícios também vai beneficiar a saúde e a perda de peso, mas eles precisam ser orientados, pois o excesso de peso costuma sobrecarregar as articulações.

No Limite: Obesidade
Nenhuma das participantes do programa é considerada obesa: para isso, é preciso ter IMC acima de 30 e, pelo menos, 40 quilos acima do peso ideal. A sobrecarga pode gerar muitos problemas de saúde e complicações para a vida cotidiana. A reeducação alimentar para indivíduos obesos é uma questão de qualidade de vida e precisa ser levada com seriedade e acompanhamento médico e nutricional. Por meio de exames de sangue e complementares como o raio-x e ultrassonografia de abdômen é possível saber como o excesso de gordura afeta a saúde, identificando a melhor dieta no seu caso.

A obesidade é tratada como doença e, por isso, precisa de um tratamento multidisciplinar, como mudança nos hábitos alimentares, prática de exercícios e acompanhamento psicológico em grupos de apoio, terapia particular ou convivência com outros obesos.

É preciso muita força de vontade para mudar o que não faz bem e encarar novas formas de comer com prazer , afirma Juliana. Aumentar o consumo de água e diminuir gradativamente o consumo de alimentos muito calóricos é fundamental. Também diminua a quantidade de comida ingerida em cada refeição, fracione as refeições ao longo do dia, evitando os jejuns prolongados, e informe-se sobre opções mais saudáveis para seus pratos favoritos.

PUBLICIDADE