Ansiedade excessiva prejudica a memória

Doença atinge células nervosas e compromete regiões do cérebro responsáveis por lembranças antigas

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 08/10/2009

Uma pesquisa realizada pela Rutgers University (EUA) revelou que a ansiedade atinge diretamente o funcionamento das células nervosas que transmitem os impulsos aos neurônios responsáveis pela memória de fatos antigos.

Foram avaliadas 100 pacientes, dos quais 60 apresentavam um quadro agudo de ansiedade e 40 não tinham nenhum distúrbio emocional. Após testes com questionários e exercícios como caça palavras, jogos de memória e palavras cruzadas, os pacientes tiveram que relatar lembranças de sua infância e de acontecimentos mais antigos.

Dos 60 pacientes ansiosos, 45 apresentaram falhas na memória na hora do relato e apenas 5 dos 40 não ansiosos apresentaram o mesmo problema. Os pesquisadores acreditam que a resposta para tais resultados está na ação da ansiedade no hipocampo e no córtex pré-frontal, regiões do cérebro essenciais para a memória e ricos em receptores que são desativados pela ansiedade. O próximo passo agora é analisar até que ponto os medicamentos para a ansiedade amenizam a perda de memória ou se é necessário o uso de outros medicamentos específicos.

PUBLICIDADE