Frutas vermelhas reduzem o risco do mal de Parkinson

Estudos comprovam que esse hábito vale para todos, mas é mais eficaz em homens

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 10/11/2011

Pesquisa feita pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos mostra que homens e mulheres que consomem frutas regularmente correm um risco menor de desenvolver a doença de Parkinson. Os homens podem, inclusive, reduzir ainda mais esse risco.

O estudo envolveu 49.281 homens e 80.336 mulheres. Os participantes responderam questionários sobre seus hábitos e os pesquisadores utilizaram um banco de dados para calcular a ingestão de alimentos ricos em flavonoides, antioxidantes que combatem os radicais livres, prevenindo doenças como câncer.

Os estudiosos analisaram a associação entre a ingestão de flavonoides e o risco de desenvolver doença de Parkinson. Eles também analisaram o consumo das cinco principais fontes de alimentos ricos em flavonoides - chá, morangos, maçãs, vinho tinto e laranjas ou suco de laranja - e sua associação com a doença. Os participantes foram acompanhados durante 20 a 22 anos.

Nesse tempo, 805 pessoas desenvolveram a doença de Parkinson. Nos homens, aqueles que consumiram flavonoides em grande quantidade diminuíram a probabilidade de desenvolver a doença em 40%.

Nas mulheres, não houve relação entre o consumo de flavonoides em geral e a doença de Parkinson. No entanto, quando foi analisado o consumo de subclasses de flavonoides, descobriu-se que o consumo regular de antocianinas ? presente em frutas como morango, amora, mirtilo, uva e ameixa - está associado a um risco menor de Mal de Parkinson em homens e mulheres.

Os pesquisadores afirmam que os resultados sugerem que os flavonoides, especificamente o grupo das antocianinas, podem ter efeitos neuroprotetores. Se essa tese for confirmada, os flavonóides podem ser uma maneira natural e saudável de reduzir o risco de desenvolver doença de Parkinson.

PUBLICIDADE

Sintomas de Parkinson
Os sintomas que caracterizam o Mal de Parkinson são os tremores intensos e a rigidez muscular, porém, a intensidade e a região afetada por eles variam de acordo com o estágio da doença em que o paciente se encontra. São essas:

Fase 1: em sua primeira fase, a doença atinge só um lado do corpo.

Fase 2: atinge os dois lados do corpo, e os sintomas podem aparecer inclusive na região da linha média do corpo (coluna).

Fase 3: aparecem as primeiras alterações no equilíbrio em consequência da rigidez muscular: "o paciente se sente preso em uma armadura dura e pesada. Quando perde o equilíbrio, não tem o apoio dos músculos do corpo, que o evitem de cair. Ele fica preso pela rigidez muscular", explica Cícero Coimbra, neurologista da Unifesp.

Fase 4: o paciente passa a necessitar de auxílio para desempenhar atividades simples do dia a dia, como os cuidados pessoais: colocar roupas, pentear os cabelos e tomar banho tornam-se tarefas difíceis.

Fase 5: a intensidade dos tremores e da rigidez muscular impede o paciente de se levantar e até de realizar atividades como comer.

Fase 6: nos casos mais graves, pode ocorrer demência.

Três atitudes que podem auxiliar no tratamento da doença
- Nada de ficar recluso. "Quanto mais tempo o paciente se fecha por vergonha dos sintomas, mais deprimido ele ficará, e isso só piora a doença. Por isso, a melhor solução é aceitar o problema e reagir", recomenda o neurologista. Um exemplo de que esta é a melhor fórmula para conviver bem coma o problema é o ator Paulo José, de 68 anos, que mantém sua rotina de trabalho e não dá chance para a doença avançar. Ele conta que até se mostra mais entusiasmado hoje, depois do diagnóstico: "Na hora de trabalhar, não tenho Parkinson?", diz o ator.

  • Família, médicos e amigos devem mostrar ao paciente que é possível conviver com a doença. Fazer com que o paciente se sinta útil e ativo o deixará mais estimulado a reagir à doença. "Deixe-o fazer as coisas, ficar o tempo inteiro em cima faz com que se sinta incapaz", recomenda o neurologista.
  • Praticar atividades alternativas, como artesanato e pintura, ajuda a amenizar os sintomas e alivia o estresse emocional. "A área do cérebro responsável pela concentração na hora de executar estas atividades é a mesma que provoca os tremores. Se você usa essa área para executar as atividades, diminui a produção dos tremores", explica Cícero.