Açaí pode ajudar no tratamento de doenças psíquicas, indica estudo

Fruta rica em nutrientes pode ajudar pacientes com esquizofrenia e transtorno bipolar

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 24/04/2017

Quem resiste a uma tigela bem geladinha de açaí? Se você já ama essa fruta, temos uma excelente notícia para continuar consumindo, mas se ainda não come esse pode ser um ótimo motivo para incluir no cardápio.

PUBLICIDADE

De acordo com um estudo feito pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), do Rio Grande do Sul em parceria com a Universidade do Estado do Amazonas e a Universidade de Toronto, no Canadá, o açaí pode ajudar no tratamento de doenças neuropsiquiátricas.

O fruto possui diversos benefícios a saúde por ser rico em nutrientes, como vitaminas (A, E, D, K, B1, B2, C), minerais (cálcio, magnésio, potássio, ferro), aminoácidos, antioxidantes e óleos essenciais.

Desta forma, os pesquisadores acreditam que o açaí atuaria no cérebro como corretivo da disfunção mitocondrial que está associada a doenças como o transtorno bipolar e a esquizofrenia. As mitocôndrias são organelas que tem como função transformar substâncias como a glicose em energia. Quando elas não estão funcionando direito, em vez de energia, as mitocôndrias geram calor e radicais livres, que causam inflamação.

Para chegar a essa descoberta, os cientistas realizaram testes simulando a disfunção mitocondrial em células cerebrais. Ao aplicar o extrato de açaí, esses efeitos nocivos chegaram a ser revertidos em 80% a 90%, indicando que o fruto pode ter efeitos terapêuticos em pacientes psiquiátricos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

A pesquisa, publicada no periódico científico Oxidative Medicine and Cellular Longevity, mostra que o açaí teria potencial para servir como base de remédios psiquiátricos no futuro.

Além disso, os pesquisadores planejam fazer um experimento que vai testar se o açaí tem a capacidade de combater o estresse. A pesquisa ainda está em fase de elaboração, mas o objetivo é testar se o açaí poderia reduzir os efeitos do estresse em estudantes universitários.