Terapia Oriental promete combater a cólica menstrual

Shiatsu usa a pressão dos dedos, antebraço e as palmas das mãos para acabar com as dores

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 07/11/2008

A quantidade de mulheres que afirma sofrer nos períodos de menstruação é enorme, só no Brasil uma pesquisa sobre a prevalência da dor menstrual aponta que, para 65% das mulheres, a palavra menstruação é sinônimo de sofrimento.

Para aliviar o martírio mensal, o shiatsu é uma das apostas recentes. A técnica manual, que utiliza a pressão dos dedos, antebraço e palmas das mãos de modo ritmado para desbloquear a tensão dos músculos, alivia a cólica.

A terapia oriental age nos canais de energia que ligam o corpo, melhorando os sistemas circulatórios e musculares. O relaxamento é conseqüência do reequilíbrio energético do organismo. "O Shiatsu é uma técnica semelhante à acupuntura, só que o trabalho, em vez de ser feito com agulhas, usa a pressão dos dedos para libertar a energia bloqueada em determinados locais do corpo e, conseqüentemente, diminui a dor pelo aumento da circulação e pela normalização do fluxo sanguíneo", afirma o terapeuta Heder Hosaka, da clínica de estética Della Noce Studio II.

Os pontos doloridos do nosso corpo são regiões que acumulam a energia vital e impedem a livre circulação. Com isso, outros pontos ficam deficientes de energia e também elevam reações pela falta. "O período menstrual, por exemplo, pode causar dor na mulher se ocorrer o bloqueio de alguns canais do estômago, rins, baço, pâncreas, vesícula e fígado. Por isso, o Shiatsu é recomendado para manipular os pontos do abdômen e desobstruir os canais", reforça Hosaka.

Por ser uma técnica manual de estímulo, o Shiatsu pode ser aplicado em qualquer pessoa e também ser um bom tratamento preventivo e corretivo para problemas de coluna, estresse, insônia, dores de cabeça, enxaqueca, cólica menstrual, queimação de estômago, entre outros. "A única contra-indicação é para mulheres grávidas, porque a pressão nos canais de energia pode prejudicar o bebê", diz o especialista.

PUBLICIDADE