Brasileiros ignoram proteção ocular

Mais da metade da população subestima os efeitos da radiação UV contra os olhos

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 06/01/2009

As campanhas sobre a importância de proteger a saúde da pele durante a estação mais quente do ano estão por todos os lugares, fazendo com que grande parte dos brasileiros mude hábitos prejudiciais a saúde. A tapa agora é convencer quanto à necessidade da proteção ocular.

Um levantamento realizado pelo oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, com 223 pacientes nos últimos 18 meses, mostra que 8 em cada 10 dos entrevistados usa filtro solar na pele. Já quando o assunto é proteção dos olhos, dos pacientes que participaram do estudo, 42% usavam óculos com lentes corretivas para miopia, hipermetropia ou astigmatismo, mas 70% dessas lentes não tem proteção UV.

O estudo também mostra que mais da metade, 57,6%, desconhece os malefícios que a radiação UV pode causar os olhos. "Não é por acaso", comenta o oftalmologista, "que todo ano surgem 120 mil novos casos de catarata no País, muitos deles precocemente. Isso porque a falta de proteção aumenta em 60% a chance de surgir a doença que representa mais de 50% dos casos de cegueira no mundo".

A catarata opacifica o cristalino, lente ocular que tem a função de focar as imagens na retina onde as mesagens visuais são enviadas ao cérebro. Pessoas com mais de 50 anos de idade que passam a apresentar alteração no grau dos óculos e alteração visual podem estar iniciando o desenvolvimento da doença. Hoje a cirurgia é feita por uma micro-incisão através da qual são injetadas lentes flexíveis que substituem o cristalino.

Outros perigos

A exposição excessiva à radiação UV também aumenta o risco de desenvolvimento da degeneração macular relacionada à idade (DRMI), maior causa de cegueira irreversível no Ocidente. Pode ainda causar o pterígio, espessamento da conjuntiva, membrana que cobre a esclera (parte branca do globo ocular) e a superfície interna das pálpebras. Em estágio inicial, o pterígio é tratado com pomadas antiinflamatórias em, mas exige intervenção cirúrgica quando evolui.

"Os olhos precisam ser protegidos desde a infância, porque aos efeitos da radiação UV são cumulativos e passamos a maior parte do tempo expostos ao sol na infância e adoslescência. Tanto que em países como a Austrália, ressalta, chapéus de abas largas foram adicionados aos uniformes escolares há alguns anos. A prevenção ainda é o melhor remédio para proteger a saúde", conclui o especialista Leôncio Queiroz Neto.

PUBLICIDADE