Um em cada 30 brasileiros possui hepatite B ou C

A doença é silenciosa e os sintomas só aparecem no estado grave

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 13/05/2009

Segundo a Organização Mundial da Saúde, uma em cada 30 pessoas no Brasil (cerca de quatro milhões de pessoas) tem o fígado atacado pelo vírus da hepatite B ou C. O panorama mundial é ainda mais grave: em cada 12 pessoas pode estar infectada (520 milhões de pessoas). Os números são alarmantes por refletirem doenças que agem silenciosamente e, por isso, a maioria dos portadores não sabe que está doente e não busca auxílio médico. Sem diagnóstico e tratamento adequados, os casos podem evoluir para insuficiência hepática, cirrose ou câncer hepático.

A busca por exames diagnósticos é fundamental para impedir a evolução da doença. "A falta de informação sobre as hepatites e sobre a existência de tratamentos são o grande problema do cenário brasileiro", afirma Carlos Varaldo, presidente da ONG Otimismo, que participa da campanha "Sou o número 12?", promovida mundialmente pela World Hepatitis Alliance.

Dados ainda afirmam que mais de 95% das pessoas desconhecem que estão infectadas e que o quadro pode se agravar. "Não realizar campanhas de detecção de hepatites pode acarretar grande aumento nos casos de cirrose, câncer e insuficiência hepática nos próximos anos", ressalta Varaldo. "O importante é que as pessoas percebam a importância do teste e saibam que, no caso de diagnóstico positivo, há tratamento", completa.

Transmissão
Hepatite B: a transmissão ocorre quando o sangue ou fluidos orgânicos contaminados pelo vírus penetram na corrente sanguínea. Isso pode acontecer de mãe para filho, na hora do parto, por contato sexual, compartilhamento de seringas ou agulhas e transplante de órgão ou tecidos contaminados.

Hepatite C: a principal via de transmissão do HCV (vírus da hepatite C) é por meio do contato com sangue e secreções contaminadas. Ocorre por transfusão de sangue e derivados antes de 1992, hemodiálise (pelo compartilhamento de materiais contaminados), compartilhamento de seringas e agulhas no uso de drogas intravenosas e manipulação de material contaminado por profissionais como paramédicos, bombeiros, policiais e manicures.

Sintomas
Hepatite B: não há sintoma aparente ou há apenas um estado semelhante ao de um resfriado. Na forma crônica há o aparecimento de febre, mal-estar, urina escura, fezes esbranquiçadas e amarelão. Sem dar sinais, evolui para quadros graves, como cirrose ou câncer, sem que o paciente perceba o risco que representa para sua saúde.

Hepatite C: a doença raramente provoca sintomas e, da mesma forma que começa, também evolui para quadros graves sem alterações aparentes, para cirrose ou câncer.

Prevenção
Hepatite B: vacina
Hepatite C: não há prevenção.

PUBLICIDADE