SP faz vacinação contra paralisia infantil no dia 20 de junho

Crianças também poderão receber vacinas contra sarampo, hepatite e outras doenças

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 11/06/2009

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo realiza no próximo dia 20 de junho a primeira fase da Campanha de Vacinação contra a Poliomielite, que pretende vacinar cerca de 2,9 milhões de crianças menores de cinco anos contra a doença em toda a região. O número corresponde a 95% dos 3,06 milhões de paulistas nesta faixa etária.

Para a primeira fase da campanha serão mobilizados 16.499 postos de vacinação fixos e volantes em todo o Estado, que funcionarão das 8h às 17h. Serão 53,2 mil profissionais de saúde, 4,3 mil veículos e cinco barcos envolvidos na operação. A segunda etapa da campanha ocorrerá em 22 de agosto.

Além da vacina contra a poliomielite, as crianças que forem aos postos de saúde poderão colocar em dia sua caderneta de vacinação. Estarão disponíveis vacinas como a Tetravalente (contra difteria, tétano, coqueluche), Tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) e contra hepatite.

"A partir do segundo ano, percebemos que há um aumento de doses ou vacinas em atraso, fato que se acentua nos reforços que são obrigatórios entre 4 e 6 anos de idade", diz diz o médico Ricardo Cunha, responsável pela área de vacinas da Diagnósticos da América S. A.

Há 21 anos o Estado não registra casos de paralisia infantil, mas a vacinação de crianças continua sendo importante porque o vírus da pólio ainda circula em países da África e da Ásia, representando, portanto, uma ameaça à população mundial.

"É muito importante que todas as crianças menores de cinco anos sejam levadas aos postos de saúde no próximo dia 20 para receber uma dose da vacina Sabin. Apenas essas duas gotinhas garantem proteção contra a poliomielite", afirma o secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata.

Causada pelo poliovírus selvagem, a poliomielite é caracterizada por febre, mal-estar, cefaléia e pode causar paralisia. A vacina é segura e os efeitos colaterais são extremamente raros.

PUBLICIDADE