Dieta substitui doses de insulina em diabetes gestacional

Pesquisa comprova a força dos alimentos com baixo índice glicêmico

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 23/06/2009

As limitações e os riscos do diabetes gestacional afetam cerca de 5% das mulheres, segundo o Ministério da Saúde. Mas, de acordo com uma pesquisa que acaba de ser publicada na revista científica Diabetes Care, os cuidados com a alimentação podem substituir as doses de insulina para tratar a doença.

Aumentar a quantidade de grãos integrais, diminuir o consumo de carboidratos simples e de açúcar, segundo os médicos que realizaram o estudo, melhoram o funcionamento do organismo, que passa a regular melhor as taxas de glicose sanguínea.

Os resultados foram notados após o acompanhamento de 62 mulheres, todas diagnosticadas com diabetes gestacional. As pacientes foram divididas em dois grupos: o primeiro privilegiou o consumo de alimentos com baixo índice glicêmico, enquanto o segundo manteve uma dieta rica em fibras e, praticamente, livre de açúcar. A ingestão de carboidratos foi restrita para todas as participantes o limite diário era de 175 gramas.

O grupo do índice glicêmico tinha mais variedade à disposição, precisando evitar apenas os pães de massa branca e cereais matinais industrializados. O segundo grupo não deu atenção ao índice glicêmico das refeições. Após 32 semanas de estudo, 29% das mulheres que mantinham a dieta com baixo índice glicêmico e 59% daquelas que privilegiaram as fibras precisaram de insulina. Só que, em vez de receber doses artificiais do hormônio, o segundo grupo passou a seguir a dieta com foco no índice glicêmico, alcançando nível de açúcar sanguíneo semelhante ao das outras participantes.

Placenta e insulina? Durante a gravidez, a formação da placenta desencadeia a produção de vários hormônios. E estes hormônios dificultam a captação da insulina pelo organismo. "Como no diabetes tipo 2, não há falta de insulina no organismo, mas uma dificuldade no aproveitamento dela", afirma a endocrinologista Ellen Simone Paiva, especialista do MinhaVida. "Para a maioria das gestantes isso não chega a ser um problema, pois o próprio corpo compensa o desequilíbrio, aumentando a fabricação de insulina. Entretanto, quando isso não acontece, há elevação glicêmica e o quadro de diabetes gestacional".

De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, a doença costuma aparecer por volta da vigésima quarta semana de gravidez, exatamente quando a placenta começa a produzir grandes quantidades de hormônios. O diabetes gestacional aumenta as chances de a mulher desenvolver o diabetes tipo 2 no futuro.

PUBLICIDADE