Conheça 10 tratamentos estéticos para combater a celulite

Métodos incluem massagem, injeção e até radiação eletromagnética

POR LAURA TAVARES - ATUALIZADO EM 21/11/2016

Nem mesmo as modelos de corpo mais sequinho conseguem escapar dela, atualmente. Horas sentadas, escorregões na dieta e alguma influência genética fazem deste o problema de beleza mais temido no cotidiano feminino. Cerca de 85% das mulheres com mais de 35 anos convivem com a celulite, de acordo com a dermatologista Carolina Marçon, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Esse tipo de inflamação está dividido em três graus, dependendo da profundidade dos buraquinhos e até da consistência da pele (mais firme ou mais flácida). No nível 1, a celulite aparece quando a pele é pressionada, enquanto no 2 nenhum estímulo é necessário para notar o problema. Já o grau 3, além de apresentar furinhos profundos, largos e em grande quantidade, pode provocar sensação de dor.

"Nenhum tratamento estético contra celulite funciona sem alterações na dieta e prática de exercícios fiscos", afirma a dermatologista. "É preciso reduzir o consumo de açúcar e de gorduras, além de tomar muita água. Exercícios aeróbios ajudam na queima de gordura localizada, enquanto a musculação dá mais firmeza para a pele".

Mas se você está com disposição para encarar um pacote completo de combate ao problema, veja as dicas dos especialistas e escolha a melhor solução estética para deixar sua pele lisinha outra vez.


SAIBA MAIS

Carboxiterapia

A carboxiterapia, apesar de recomendada em algumas clínicas de estética para todos os tipos de celulite, não conta com apoio médico. Isso porque, inicialmente, a técnica foi criada para tratar úlceras na pele - a injeção de dióxido de carbono melhorava a circulação sanguínea e a oxigenação dos tecidos, fazendo com que as feridas se fechassem mais rapidamente. Depois, começou a ser usada no meio estético com a ideia de que sua ação vasodilatadora também poderia reduzir a flacidez e as irregularidades decorrentes da celulite. Mas até agora foram feitos poucos estudos sobre a eficácia e a segurança do método, então a maioria dos dermatologistas não apoia o tratamento.