Procedimentos estéticos: 5 coisas que você precisa saber antes de fazer

Gostaria de fazer um tratamento e não sabe por onde começar? Veja dicas para evitar complicações

POR INFORME PUBLICITÁRIO - PUBLICADO EM 20/09/2018

Olhar no espelho e não gostar de algum detalhe estético, como olheiras, rugas ou flacidez, é algo absolutamente normal. Ainda assim, sabemos: incomoda e muito. Ainda assim, não faltam opções para corrigir ou atenuar tais "imperfeições". Mas por onde começar? Nessas horas, o passo mais importante é consultar o médico dermatologista. Ele é o especialista indicado para realizar o diagnóstico de doenças de pele, cabelos e unhas e prescrever tratamentos específicos.

PUBLICIDADE

De acordo com a dermatologista Alessandra Romiti, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), os médicos possuem capacitação para indicar, realizar e acompanhar, de forma segura, procedimentos e tratamentos invasivos, como aplicação de toxina botulínica, preenchimento com ácido hialurônico, tratamentos a laser, radiofrequência, peelings, microagulhamento e ultrassom microfocado.

Pensa em fazer algum procedimento estético? Veja abaixo 5 coisas que você precisa saber antes de se submeter a um tratamento:

1. Procure o dermatologista

O primeiro passo para garantir bons resultados e evitar complicações relacionadas ao procedimento estético escolhido é procurar um dermatologista. É a partir da consulta com o profissional que você poderá dar os próximos passos, como realização de exames e outros cuidados.

"Cada paciente é único, e existem indicações e contraindicações para todos os procedimentos e tratamentos. A pessoa tem que ser amplamente avaliada, não somente na parte que ela quer realizar um procedimento. É preciso consultar, fazer exames, entender os benefícios e os riscos de cada passo. Então, procurar o dermatologista no começo é a melhor conduta", reforça Alessandra Romiti.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Quando os procedimentos são mais complexos, outros profissionais devem ser envolvidos ou indicados, orientação que será dada pelo dermatologista.

2. Verifique se o médico é especialista

Quando se trata da saúde, não vale a pena correr riscos. Por isso, é muito importante conferir se o profissional escolhido é, de fato, um especialista. Para se especializar em uma área médica, não basta ter CRM (número que o médico recebe para exercer a medicina); é necessário ainda possuir o Registro de Qualificação de Especialista (RQE), uma identificação que comprova a habilitação do médico para uma determinada especialidade.

A dermatologista Alessandra Romiti alerta: "Todo procedimento médico deve ser acompanhado por um médico, para que qualquer complicação possa ser percebida, diagnosticada e tratada. Não procurar um especialista aumenta o risco de efeitos indesejados e complicações graves para a saúde".

Para saber se o médico é especialista, qualquer pessoa pode fazer uma consulta gratuita no site do Conselho Federal de Medicina (CFM) e CRMs. No caso do médico dermatologista, a checagem também pode ser feita pelo site oficial da Sociedade Brasileira de Dermatologia, clicando aqui.

3. Observe a clínica ou consultório

Uma dica valiosa é visitar o consultório ou a clínica onde o procedimento será realizado, prestando atenção aos detalhes. Desconfie de locais que se dispõem a cobrar preços muito baixos, têm muita rotatividade de profissionais e não disponibilizam equipamentos e produtos de qualidade, por exemplo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

"É importante desconfiar quando há muita propaganda, quando o profissional se diz especialista em muitas áreas", ressalta Alessandra Romiti. Segundo a médica, esses atributos "milagrosos" podem indicar que algo não está certo.

Verifique também se o local tem autorização de funcionamento expedida pela Secretaria Municipal de Saúde e da Vigilância Sanitária, além de checar a higiene do espaço e se os materiais são descartáveis. Lembre-se que casas e imóveis residenciais não devem ser considerados para a prática de procedimentos invasivos.

E atenção: existem normas mínimas para o funcionamento de consultórios médicos e complexos cirúrgicos. Tais normas, que precisam ser rigorosamente observadas, devem atender às exigências do Conselho Federal de Medicina (CFM).

4. Entenda o que é melhor para você

Antes de realizar algum procedimento da pele, cabelos ou unhas, é importante se perguntar se essa é a melhor solução para você nesse momento. Depois disso, a opinião do dermatologista consultado deve ser levada em conta.

"O paciente relata o que incomoda, mas a decisão de realizar um tratamento é sempre do médico. O profissional não pode ficar 'seduzido' pelo desejo do paciente, porque a indicação pode ser incorreta, o resultado pode não ser bom e haver contraindicação. O médico tem a responsabilidade de explicar ao paciente as razões para realizar ou não determinado procedimento", esclarece Alessandra Romiti.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Em um primeiro momento, ao receber a contraindicação ou indicação de um tratamento diferente do esperado, a frustração pode surgir. Ainda assim, lembre-se que o dermatologista é o profissional mais indicado para entender, avaliar e ponderar o procedimento escolhido, apresentando riscos e complicações possíveis.

5. Faça um planejamento

Para a dermatologista Alessandra Romiti, qualquer intervenção precisa ser muito bem avaliada. "Os tratamentos estéticos não são um momento único, é importante fazer um planejamento a longo prazo com o dermatologista. Quando algo é feito sem acompanhamento, proteção ou cuidados, os efeitos negativos podem surgir. O médico e o paciente têm que se programar, não é algo pontual", reitera.

Portanto, é importante saber quais tratamentos podem ser realizados antes de um evento social importante, quanto tempo é necessário aguardar pela recuperação da pele ou mesmo a época mais adequada para fazer determinados procedimentos, como peelings e tratamentos a laser.

Tudo isso garante um bom planejamento estético, com resultados mais seguros para você e para a sua saúde.