Caspa: como controlar no cabelo e na barba

A descamação do couro cabeludo é um incômodo estético, mas pode levar a problemas mais graves

O que é

Por Suesig/Shutterstock
Por Suesig/Shutterstock

A caspa é uma alteração na pele do couro cabeludo, causada por um desequilíbrio bacteriano que acelera a renovação celular, provocando descamação. Ela é um dos sintomas da dermatite seborreica.

PUBLICIDADE

Essa descamação acontece principalmente no cabelo, mas pode atingir outras áreas do rosto, como o supercílio (sobrancelha), a glabela (área entre as sobrancelhas), o canto do nariz, orelhas, barba e tórax.

Para diagnosticá-la e diferenciar de outro problema, como alergias, um médico pode precisar de alguns exames clínicos, como o micológico, a biópsia e o teste de contato.


Além de ser um incômodo estético, a caspa pode levar a problemas mais graves, como a queda de cabelo. O problema não é contagioso e nem gerado por falta de higiene.

Sintomas da caspa

Por Andrey Popov/Shutterstock
Por Andrey Popov/Shutterstock

A caspa pode ser notada ao deixar rastros na roupa, na direção dos cabelos. No entanto, existem alguns sinais de que aquela descamação é caspa:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Coceira
  • Vermelhidão
  • Irritação
  • Pinicação

Tipos de caspa

A caspa pode ser classificada em diferentes graus:

Caspa seca: queda de flocos pequenos, finos e de cor branca
Caspa oleosa (úmida): flocos espessos, maiores e amarelados, que muitas vezes se prendem no couro cabeludo
Caspa oleosa severa: os flocos espessos são em maior quantidade, ocupando quase toda a área do couro cabeludo

Quem pode ter caspa

Todo mundo está suscetível a ter caspa. De acordo com a dermatologista Alice Jaruche, o mais comum é que caspa atinja adolescentes, jovens-adultos, já que tende a ir melhorando com a idade. O problema é mais comum entre os homens pela ação da testosterona na pele.

No entanto, existe também a caspa em bebês. Essa dermatite seborreica no couro cabeludo de recém-nascidos é conhecida como crosta láctea, e é uma condição temporária.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
Crosta láctea, a
Crosta láctea, a "caspa" em bebês - Por UvGroup/Shutterstock

"O problema é relacionado a uma aparência de pouca limpeza, o que não é verdade. Sujeira não está relacionado à caspa", esclarece Sheila Bellotti, tricologista, terapeuta capilar e membro da Sociedade Italiana de Tricologia e do Grupo Latino Americano de Tricologia

Por que ela aparece?

Ainda não se sabe a causa da caspa. No entanto, as descamações têm uma boa influência de alguns fatores, como:

  • Estresse
  • Pele oleosa
  • Desequilíbrio fúngico e bacteriano no couro cabeludo
  • Uso de condicionador e máscara na raiz do cabelo
  • Não secar cabelos
  • Alterações hormonais

Como evitar

Apesar de não ter cura, a caspa pode ser controlada. Para evitar que o problema volte ou se agrave, existem algumas ações que podem ajudar:

  • Não dormir de cabelo molhado
  • Usar secador frio
  • Lavar o cabelo e o rosto na água fria
  • Aplicar o condicionador e máscara longe da raiz
  • Evitar produtos leave-in e pomadas no couro cabeludo
  • Retirar completamente o xampu e o condicionador dos cabelos após a lavagem
  • Evitar chapéus, bonés, capacetes ou gorros com os cabelos molhados
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Como controlar a caspa

  • Xampus anticaspa: este produto costuma ser a primeira opção no combate à caspa. Sua fórmula tem ativos antifúngicos que controlam a causa da descamação. Caso não haja melhora, é importante buscar um profissional especialista.
  • Óleos naturais: O óleo de melaleuca e de rícino, assim como a argila, podem ser utilizados para acalmar a inflamação no couro cabeludo causada pela caspa
  • Remédios orais: O dermatologista pode prescrever medicamentos antifúngicos e anti-inflamatórios corticoides que agem de dentro para fora.
  • Peelings: Os peelings podem ser uma alternativa no controle da caspa, já que atua direto na descamação.
  • Prebióticos: Estes ingredientes estimulam o crescimento da flora natural e benéfica da pele, reduzindo a flora patogênica composta por bactérias, ou seja, causadora da doença.
  • Aplicação de LED: Com luz de emissão baixa, o recurso é usado para desinflamar o couro cabeludo e controlar a flora, e aplicado quando a pessoa está em crise

No entanto, é importante saber que a caspa trata-se de uma condição crônica, então ela pode voltar mesmo após as medidas de controle. "O tratamento precoce das crises é importante, assim como a sua continuidade para evitar o reaparecimento", explica a dermatologista e tricologista Joana D'arc Diniz.

Tratamentos caseiros para caspa:

  • Mel: Por suas propriedades umectantes e antibacterianas, o mel pode ser usado no couro cabeludo, antes da limpeza com xampus e ajudar a recompor a barreira cutânea, que está afetada na caspa.
  • Vinagre (branco e de maçã): Com o poder de acidificar o pH local, ajuda a conter a proliferação de fungos e pode melhorar a oleosidade local.
  • Óleo de coco: Ele é um bom umectante e, assim como o mel, pode ajudar bastante a remover as crostas, melhorar a inflamação e a barreira cutânea, além de ter efeito antimicrobiano.
  • Bicarbonato de sódio: O bicarbonato de sódio possui funções esfoliantes, ou seja, ele consegue reduzir a adesão das escamas ao cabelo e ao couro cabeludo e pode ser utilizado para esta finalidade.
  • Suco de limão: O suco do limão é rico em ácido ascórbico, a vitamina C, e também possui propriedades semelhantes às do vinagre.
  • Aspirina: Não é por acaso, vários dos produtos para caspa são formulados com ácido salicílico, uma substância muito semelhante quimicamente. Entre suas propriedades, estão sua capacidade anti-inflamatória, antifúngica, antibacteriana e esfoliante.
  • Alice Jaruche (CRM 139871/SP), médica dermatologista e especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia
  • Joana D'arc Diniz (CRM 52677868/RJ), médica dermatologista, tricologista, Diretora Cientifica da Sociedade Brasileira de Medicina Estética (RJ) e Diretora da Sociedade Brasileira do Cabelo (RJ).
  • Sheila Bellotti, tricologista, terapeuta capilar e membro da Sociedade Italiana de Tricologia e do Grupo Latino Americano de Tricologia
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)