Praticar exercícios ajuda a dormir melhor, diz estudo

Boa noite de sono independe da intensidade da atividade

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 05/03/2013

Um novo estudo realizado pela National Sleep Foundation, nos Estados Unidos, descobriu que atividades físicas podem ser a chave para uma boa noite de sono. A pesquisa contou com a contribuição de mil adultos com idades entre 23 e 60 anos e foi divulgada no site da instituição nesta segunda-feira (4). Aqueles que praticavam exercícios intensos, moderados ou leves se mostraram mais propensos a dizer que haviam dormido bem do que os demais participantes.

Para a análise, os especialistas consideraram que exercícios seriam definidos como prática de, pelo menos, 10 minutos de atividade física diariamente. Em seguida, os voluntários foram divididos em quatro grupos: aqueles que praticavam atividades intensas, como corrida, ciclismo, natação e esportes competitivos; atividades moderadas, como levantamento de peso, tai chi e yoga; atividades leves, como caminhada, e nenhuma atividade. Por fim, todos relataram como era sua noite de sono.

Os resultados mostraram que os adeptos do sedentarismo dormiam pior do que aqueles que praticavam exercícios, independente do tempo de sono. Entre os adultos fisicamente ativos, 67% disse dormir bem contra 39% dos que não praticavam exercícios. Além disso, cerca de 80% dos atletas disseram ter dormido bem nas últimas duas semanas, enquanto apenas 56% dos não ativos relataram conseguir descansar bastante.

O mais preocupante de ter uma noite mal dormida é a queda da imunidade. Por isso, se você sofre de insônia, experimente fazer uma caminhada de 10 minutos todos os dias. Veja a seguir outras dicas para dormir bem:

Escolha o melhor travesseiro

Ao pensar em um bom travesseiro, é importante sempre levar em conta a posição em que você dorme. "Ao deitar-se de lado, é importante que ele seja mais alto, para que o pescoço fique alinhado com resto da coluna. Agora, se você deita de barriga para cima, o ideal é usar um travesseiro mais baixo, para que a cabeça não fique muito acima", considera o ortopedista Cássio Trevizani, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Agora, se sua posição favorita é de bruços, o ideal é não usar travesseiro nenhum.

Porém, essas regras se invalidam caso você tenha algum problema específico de saúde. "No caso de doenças associadas como o refluxo gastroesofágico e também algumas cardiopatias, a recomendação por travesseiros mais altos é feita", recomenda Daniel Inoue, médico especialista em Medicina do Sono do Hospital Santa Cruz de São Paulo.

Quanto ao material, vale escolher o que você preferir. Alguns conservam suas características por mais tempo, como o de viscoelástico, por exemplo. Mesmo assim, sempre que você perceber que o travesseiro está ficando mais baixo, o ideal é comprar outro. "A troca deve ser feita quando apresentarem deformidades ou algum tipo de incômodo para a pessoa dormir", alerta Inoue.