Estudo avalia a eficiência das psicoterapias para tratamento da depressão

As chamadas "terapias de conversa" são as mais eficazes para a doença

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 29/05/2013

Falar sobre os problemas sempre ajuda a desabafar e faz com você se sinta mais leve, não é verdade? Pois o mesmo principio se aplica às terapias para a depressão. E um estudo realizado pelos pesquisadores da Universidade de Berna (Suiça) e publicado no dia 28 de maio no jornal online PLOS Medicine comprovou essa eficácia, ao avaliar terapias que envolvem conversa como sendo mais eficiente para o tratamento dessa doença emocional.

Os pesquisadores revisaram 198 estudos, que no total reuniram 15.118 pacientes adultos deprimidos. Sete tipos de psicoterapias foram avaliados nesse material, entre eles a terapia cognitivo-comportamental (TCC), interativa e a psicodinâmica. Eles perceberam que todas elas funcionavam de forma bem melhor do que os grupos de controle, que foram submetidos ao tratamento tradicional. Concluíram também que não há um tipo melhor do que o outro, apenas algumas que foram mais estudadas do que outras. Provavelmente o benefício está justamente no apoio e empatia que são passados nesse tipo de processo.

Portanto, a conclusão geral dos estudiosos é que os médicos considerem esse tipo de terapia como uma alternativa e ajudem os pacientes a escolherem individualmente qual seria o tipo mais adequado para eles. Para os pesquisadores, tudo depende do grau e da natureza da depressão, assim como do perfil do paciente, e muitas vezes uma combinação de diferentes técnicas pode ser o ideal para o paciente. A Organização Mundial de Saúde prevê que até 2030 a depressão será a doença mais prevalente no mundo, antes mesmo de problemas cardiovasculares e do câncer.

Mudanças no dia a dia
Atitude também é importante quando o assunto é depressão! Por isso, veja algumas alterações na rotina e práticas que é possível adotar para ajudar no tratamento dessa doença que está se tornando tão comum.

Pratique exercícios físicos

A saúde da mente começa pelo corpo. "O exercício físico libera endorfinas e aumenta os níveis de serotonina e dopamina, potencializando o efeito antidepressivo do tratamento", explica a neurologista Thais. Além disso, o organismo só funciona adequadamente se estiver com o equilíbrio de fatores físicos, psíquicos e sociais. "Quando algum desses fatores é prejudicado ou beneficiado, os demais sofrem as consequências", diz a psicóloga e terapeuta comportamental Denise Diniz, coordenadora do Setor de Estresse e Qualidade de Vida da Unifesp. Dessa forma, se o paciente com depressão consegue ânimo para se exercitar, também conseguirá melhorar questões psíquicas, tais como a depressão.