A ansiedade com as redes sociais está afetando sua vida real?

Descubra se o mundo virtual está interferindo nas relações que você tem no dia a dia

POR NATHALIE AYRES - ATUALIZADO EM 14/12/2016

Quem ainda não acessou uma das chamadas redes sociais, que atire a primeira pedra! Mas olhe lá... Considere nessa categoria o Facebook, Twitter, Foursquare, Instagram e até mesmo o profissional LinkedIn. Notou? Elas já estão inseridas no nosso dia a dia de tal forma que nem percebemos mais.

E assim, de fininho, elas mudaram muito a forma como vivemos em todas as esferas. "As mídias sociais mudaram os relacionamentos em todos os níveis: social, pessoal, profissional e nos negócios. Elas se tornaram o principal meio de comunicação da nova sociedade, isto é fato. Marcar encontros, divulgar a vida, conversar com amigos, fazer amizades, tudo isso faz parte do nosso dia a dia", considera a psicóloga Lizandra Arita, da Arita Treinamentos.

Isso pode ser bom, mas pode ser ruim também! "As relações estão cada vez menos respeitosas, o mundo virtual permite que você encerre uma conversa simplesmente apertando um botão, sem qualquer preocupação com os sentimentos da outra pessoa. Este comportamento acaba contaminado as relações do mundo real", pondera a psicóloga clínica Marisa de Abreu.

Acontece que essas mídias envolvem mais do que piadinhas e imagens fofas, muitas vezes elas englobam problemas como ansiedade, autoestima e timidez. Mas será que essas redes estão afetando mais sua vida do que você supõe? Pense em suas respostas para as perguntas abaixo e verifique se você não tem levado problemas virtuais para a vida real.

Você tem preferido a companhia do seu smartphone à dos outros?

Cada vez mais a figura das mídias sociais está ligada ao telefone celular, afinal hoje ele é um computador portátil. E isso está criando um novo problema virtual na vida real: a pessoa que fica imersa na telinha enquanto o mundo passa lá fora. "Parece que está criada uma nova etiqueta: eu olho para meu smartphone, você olha para o seu e, no final, ficamos todos felizes", lamenta a psicóloga Marisa.

Mas sempre dá tempo de retomar o olho no olho. Lizandra nos ensina, inclusive, algumas estratégias, como manter a tela do celular virada para baixo no trabalho, estipulando um tempo determinado para conferir como andam as novidades nas mídias ou deixar o celular no bolso ou na bolsa quando estiver em um evento social ou almoçando com amigos, familiares ou colegas de trabalho.