Sexo, finanças pessoais e emprego também são prejudicados pelo cigarro

Fumar afeta o desempenho sexual, o rendimento no trabalho e tira um bom dinheiro do seu bolso

POR NATHALIE AYRES - ATUALIZADO EM 12/09/2016

Que o cigarro faz mal à saúde, estamos todos carecas de saber! As substâncias presentes em sua composição trazem diversos males ao corpo humano: inflamações pulmonares como a DPOC; diversos tipos de cânceres, como de pulmão, garganta e boca; problemas cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio e elevação do colesterol LDL... A lista é imensa.

Mas você já reparou como o cigarro pode afetar outros aspectos do dia a dia? "Constatamos, por exemplo, que o prejuízo na respiração decorrente do cigarro atrapalha atividades físicas, como esportes e o sexo; com a proibição de fumar em locais fechados o fumante fica de fora de papos com os amigos quando sai para fumar; o cheiro do cigarro traz reclamações do companheiro; o exemplo que adultos fumantes dão para seus filhos...", enumera a psicóloga Ana Carolina Schmidt de Oliveira, especialista em dependência química.

De acordo com a cardiologista Jaqueline Issa, coordenadora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP), muitas vezes as pessoas decidem parar de fumar apenas quando algo lhes causa um estalo. Por isso mesmo, listamos que outros setores da vida acabam sendo prejudicados pelo tabagismo. Que tal conferi-los antes de acender o próximo cigarro?

Cognição e concentração

Em um primeiro momento, o cigarro pode até parecer ajudar na concentração. "Pessoas com alguma disfunção na concentração do neurotransmissor acetilcolina, como aquelas que sofrem de TDAH, apresentam melhora nesse aspecto, pois a nicotina tem estrutura semelhante e também se relaciona bem a esse receptor", pondera a cardiologista Jaqueline. Claro que isso não é motivo para continuar fumando, já que o mesmo efeito pode ser obtido com remédios. Até porque, isso de certa forma acaba transformando o tabagista em dependente em outros aspectos. "Basta observar um tabagista no trabalho, que precisa sair frequentemente para fumar 'se não, não produz', como eles mesmos dizem. Além disso, a ansiedade e a vontade de fumar dificultam ainda mais a capacidade em se manter focado em uma tarefa", considera Ana Carolina Schmidt de Oliveira, do Vida Mental Serviços Médicos e especialista em dependência química.

O outro gume dessa faca, porém, é que fumantes acabam apresentando a doença de Alzheimer mais cedo. "A incidência é seis vezes maior nos fumantes, já que o cigarro favorece esse envelhecimento precoce do cérebro", pondera Jaqueline. Um estudo feito em 2012 pela universidade King?s College London, na Inglaterra, demonstrou que fumantes com mais de 50 anos apresentam diversos declínios de memória.