Fazer lista mental das tarefas do mês ajuda na hora de se organizar

Em meio a tanta coisa para fazer, é importante tirar um tempo para si mesmo

ARTIGO DE ESPECIALISTA - ATUALIZADO EM 22/05/2019

As demandas que caem sobre nós andam terríveis: além de termos que nos atualizar constantemente em nosso conhecimento específico, não podemos perder nada do que acontece em política, economia, tendências sociais, gestão, entre outras coisas. Precisamos também ter autoconhecimento, dominar as competências interpessoais e saber trabalhar em equipe.

Aí vêem as necessidades familiares, o cuidar da saúde, as ações sociais. Andam dizendo agora que precisaremos aprender a falar chinês e discorrer sobre vinhos. De tudo isso, ficamos, sobretudo, com a angústia e o corre-corre. Não dá nem tempo da gente se questionar se precisa mesmo dominar tanta coisa.

É delegando, selecionando e principalmente priorizando as tarefas, que vamos saber o que realmente merece nossa dedicação e o que podemos eliminar sem culpa.

Não se deixar levar pela culpa não significa ser irresponsável. Basta delimitar, entre as inúmeras necessidades, com quais podemos ser complacentes. Complacência, no dicionário, é sinônimo de agrado, benevolência. Colinho, por que não? Permitir-se não ser perfeito, permitir-se estar cansado, permitir-se não ter tempo. Mas, alto lá! A complacência só vale para determinadas tarefas .

PUBLICIDADE

Para saber quais, liste todas as tarefas que você precisa realizar mensalmente, desde as profissionais até as pessoais e familiares.

Agora separe o que é ou será imprescindível do que é delegável. Imprescindível é o que só você pode ou poderá fazer, enquanto que delegável é tudo o que poderia ser feito por outra pessoa, por uma máquina, ou o que poderia estar pronto ou quase pronto. Não pense agora se você tem quem faça, se o produto semi-pronto já existe ou se você ou a empresa não tem verba para a delegação.

Foque no que só precisa de sua supervisão. Agora que você já tem a lista das tarefas delegáveis, comece a pensar em como fazer para se livrar delas ou para reduzi-las. Por exemplo, veja se você pode "delegar" os e-mails em língua estrangeira para um software de tradução, se pode arrumar uma carona para ir aos lugares cujo caminho não conhece, se pode gerar trocas entre amigos, colegas e familiares, desde que todos fiquem com tarefas que gostam de fazer e façam "com um pé nas costas". Pense também em planilhas e arquivos e todos as ferramentas que a era pós-internet gerou. Seja criativo, mas não elimine sua responsabilidade pelos resultados.

"É priorizando que vamos saber o que podemos eliminar sem culpa"

No mais, não se torture mais se levou três dias para mandar lavar o carro, se ainda não leu a análise de conjuntura de duas semanas atrás. Só não adie as tarefas que vão fazer com que você perca tempo depois. Opte sempre pelo prioritário. Sem culpa.

Um pouquinho de colo que a gente se dê pode ser tão revigorante quanto um colo de mãe. Ele fará com a gente aguente o tranco e não corra o risco jogar a toalha ou ficar doente justamente quando nossa dedicação é imprescindível.

No fundo, estamos armazenando tempo e energia para nos dedicarmos ao que realmente interessa.