Sexo: 7 dicas para não sentir dor na primeira vez

Veja como o casal pode aproveitar o momento de forma confortável e sem riscos para a saúde

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 06/09/2016

Mônica Lopes
Fisioterapia - CREFITO 43280-F/RJ
especialista minha vida

É comum escutar que sexo é bom, mas que na primeira vez da mulher a coisa é bem diferente. E não é para menos, uma vez que a primeira relação sexual da mulher é cercada de mitos, sendo o principal deles que é obrigatório ter dor e sangramento.

PUBLICIDADE

Outro mito é que a mulher na primeira vez não engravida, o que é muito perigoso, pois tanto ela pode engravidar, quanto contrair doenças sexualmente transmissíveis (DST) caso o casal negligencie o preservativo.

Conheça os mitos e veja o que é possível fazer para ter uma primeira vez prazerosa, sem dor e sem riscos:

1) Menos tensão e mais preliminares

Casal fazendo sexo pela primeira vez sem dor - Foto: GettyImages
É possível fazer sexo pela primeira vez sem dor

A dor pode ter algumas causas e a mais comum é a tensão desse momento. Quanto mais relaxada a mulher estiver, quanto mais tranquilidade o parceiro passar a ela, menor será a dor. Por isso é importante que a mulher deseje esse momento e o seu parceiro. Da mesma maneira que ela deve se sentir desejada e melhor ainda se estiver se sentindo amada.

A questão da dor também é proporcional às preliminares. Então, quando há muita estimulação sexual, intimidade e carícias, a vagina fica lubrificada e pronta para receber o pênis.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

2) Tenha intimidade com o seu corpo e com o parceiro

O primeiro passo é entender que pode ocorrer sangramento na primeira relação sexual devido ao rompimento de uma membrana na entrada da vagina chamada "hímen". Mas, atenção! Mesmo quando o hímen é rompido, existem mulheres que têm um pequeno sangramento e outras não.

Além disso, também é importante saber que apesar de em boa parte das mulheres o hímen se romper na primeira relação sexual, existem aqueles mais elásticos, denominados de hímens complacentes, que não se rompem com facilidade.

Para evitar desconfortos e transformar esse momento numa lembrança agradável, é aconselhável que homens e mulheres conheçam a si mesmos. A masturbação é um importante processo de autoconhecimento e de reconhecimento das zonas erógenas (áreas de prazer do nosso corpo).

Além disso, é importante criar um clima de intimidade para que ambos se sintam à vontade e para que a mulher fique o mais relaxada possível. Ou seja, o casal deve ter feito muita preliminar antes de ir para penetração.

3) Não se cobre

Ninguém é mestre em algo que está fazendo pela primeira vez. O sexo e a sexualidade são aprendizados contínuos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

4) Aproveite a relação sexual

É sempre bom lembrar que a penetração é um dos eventos da relação sexual e que para que seja prazerosa é importante aumentar a excitação através de beijos, carícias em todo o corpo, sexo oral, troca de elogios, palavras quentes. Por isso homem, vá com calma e sem afobação para realizar a penetração. Sinta o clima!

5) Mantenham a conexão

Olho no olho, mantenham-se ali, conectados na mesma sintonia. Gemidos são um sinal importante de que se está indo pelo caminho certo. Caso não esteja, não hesite em mostrar ou falar para o outro mudar a carícia e lembre-se: sexo gostoso é aprendizado. Aprenda com seu/sua próprio(a) parceiro(a) a decifrar suas áreas de prazer e curta esse momento.

6) Não esqueça a camisinha

Existem diversos tipos de preservativos que o casal pode utilizar, tanto os masculinos quanto as camisinhas femininas. Elas protegem contra uma gravidez indesejada e também das doenças sexualmente transmissíveis, como HIV/aids, gonorreia, sífilis, doença inflamatória pélvica (DIP) e alguns tipos de HPV.

7) Procure auxílio de profissionais especializados

Existem alguns profissionais que podem dar aconselhamentos preciosos sobre o que esperar desse momento e tirar todas as dúvidas. É o caso do ginecologista (para mulher), do urologista (para os homens), do sexólogo e também do fisioterapeuta pélvico (área da fisioterapia que trabalha com os músculos perineais). Não exite em procurá-los.