Estudo mostra que os mais velhos têm maior estresse no trabalho

Pesquisa conduzida pela Universidade de Portland mostra que uma maior autonomia profissional é capaz de reduzir os níveis de estresse

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 14/05/2018

A rotina profissional pode se tornar estressante por diversos fatores, seja pelo horário que acordamos para trabalhar, pelo trânsito que enfrentamos para chegar ao local desejado, ou então pelas nossas funções, que podem nos causar exaustão física ou psicológica. Estes motivos afetam a todos, mas segundo um estudo publicado no periódico Vocational Behavior, pessoas mais velhas podem ser as maiores vítimas desse estresse.

PUBLICIDADE

Isto porque a falta de assistência e de recursos no ambiente de trabalho causam uma grande preocupação e desconforto, que são sentidos com maior intensidade por pessoas que tem maior idade. A equipe de pesquisa foi composta por nomes como Lale Yaldiz, PhD em Psicologia industrial e organizacional, e contou com os professores Donald Truxillo, Leslie Hammer e Tod Bodner, que lecionam na Universidade de Portland.

Como o estudo foi feito

Foram analisados 243 funcionários públicos de 24 a 64 anos de idade, durante um ano. Por meio de questionários e testes psicológicos, que levaram em consideração fatores como a satisfação dessas pessoas no ambiente de trabalho, chegou-se a algumas conclusões: Tanto jovens quanto os mais velhos, tiveram seus níveis de estresse reduzidos quando tinham maior autonomia profissional, melhores relacionamentos com seus chefes e sentiam que eram respeitados e tratados de forma justa pelos seus colegas de trabalho.

Porém, quando há falta de recursos no ambiente profissional, as pessoas mais velhas tiveram seus níveis de estresse ampliados, de maneira que foram posicionadas em condições psicológicas negativas em comparação aos mais jovens quando questionados se sentiam afetados com esse problema específico.

Indivíduos com idade mais avançada tendem a priorizar necessidades emocionais e se importam em ter interações sociais profundas, o que os faz dar preferência em serem mentores de seus colegas de trabalhos da mesma idade, já que funcionários mais jovens têm foco em ganhar as habilidades necessárias para avançar em suas carreiras rapidamente.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Conclusões

"Há direitos que deveriam ser dados a todos funcionários, principalmente aos mais velhos" diz Truxillo em entrevista ao periódico. "Recursos que levem em consideração as diferentes idades dentro de um ambiente de trabalho deveriam ser levadas em consideração".

As descobertas reiteram a ideia de que funcionários mais velhos valorizam ainda mais a autonomia e um ambiente de trabalho acolhedor, porque esses dois fatores fazem com que eles se adaptem melhor às mudanças físicas e psicológicas que vêm com o envelhecimento.

Os autores do estudo dizem que essa descoberta é importante, já que o número de funcionários que têm 55 anos de idade ou mais continua crescendo. Estipula-se que trabalhadores nessa faixa etária irão compor cerca de um quarto de todo mercado profissional até 2020.

Quais atitudes as empresas devem tomar

O estudo lista algumas recomendações a serem seguidas pelas empresas para melhorar a qualidade de vida desses funcionários:

  • Ao invés de sempre exigir que os funcionários completem tarefas de um jeito pré-determinado, dê a eles, quando possível, flexibilidade para utilizar suas diferentes habilidades e experiências para realizar algo
  • Treine supervisores para ter habilidades de liderança que enfatizem a criação de fortes laços com seus funcionários, para que eles se sintam confiantes e valiosos, porque eles realmente são
  • As organizações devem ser transparentes em relação à forma que as decisões são tomadas, valorizando as ideias dos funcionários na hora de fazer escolhas.
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Focar apenas em resultados, ignorando as condições de quem trabalha para fazer com que objetivos sejam alcançados, traz maus resultados e acaba custando caro. Não focar no bem-estar das pessoas, traz ganhos à curto prazo, e perdas muito maiores a longo prazo.