Estudo com 26 mil relatos reforça: Com ovulação, mulher tem mais desejo sexual

Estudo avaliou respostas de mulheres a como se sentiam ao longo do ciclo, e elas não relataram alterações na forma como se vestiam ou em níveis de narcisismo

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 26/09/2018

Ao longo do mês, o corpo de uma mulher tem alterações hormonais na mulher responsáveis por todo o ciclo menstrual. Já há pesquisas que indicam o que estes hormônios fazem com o corpo e a mente da mulher. No entanto, um estudo quis entender o que as 1043 mulheres relatavam sobre seu humor e outros aspectos subjetivos ao longo do ciclo e descobriu que o período ovulatório foi associado a um maior desejo de transar com seu parceiro e também com outras pessoas.

PUBLICIDADE

O estudo não notou diferença significativa, porém, na retenção de parceiros, escolha de roupa ou narcisismo. O grupo de controle, usado para entender quais eram os efeitos da ovulação, foram as 622 mulheres que usavam pílulas anticoncepcionais.

O estudo foi conduzido pela Universidade de Göttingen, com mulheres da Alemanha, Áustria e Suíça. Estas mais de mil mulheres deram 26 mil relatos diários sobre questões relativas a seu humor, nível de narcisismo, relacionamento e também ao ciclo menstrual.

Ciclo menstrual

Conforme explica a ginecologista colaboradora do Grupo de Endometriose do Hospital das Clínicas da USP, Paula Zulian Fagundes, o ciclo menstrual começa no primeiro dia da menstruação. Nesta fase inicial, ocorre uma produção exclusiva de estrogênio pelo ovário. Depois, por volta do 14º dia antes do início da próxima menstruação, acontece a ovulação propriamente dita - e os três dias antes e depois dessa ovulação compõem o famoso período fértil. "No segundo período, tem início a fase de produção de progesterona, conhecida também como fase lútea", afirma.

Mas não são apenas esses hormônios que fazem parte do ciclo menstrual. Fagundes esclarece que todo o processo tem início de fato no hipotálamo, região do cérebro humano de onde é secretado o hormônio liberador de gonadotropina (GnRH). Esse hormônio, por sua vez, estimula a hipófise, glândula que libera o FSH, hormônio folículo-estimulante e o LH, hormônio luteinizante, que agem proporcionando um meio adequado ao desenvolvimento dos óvulos e iniciação do mecanismo de ovulação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Neste processo entra também a produção de testosterona, mais um hormônio que é liberado pelos ovários quando estimulados pelo LH. Ele é responsável, entre outras coisas, pelo aumento do desejo sexual.

"A variação hormonal na mulher também pode levar a uma alteração na produção de neurotransmissores, como a serotonina. Isso está ligado a alguns distúrbios emocionais que ocorrem com mais frequência na segunda fase do ciclo. Caracterizam-se por fadiga e alterações do sono (dificuldade para dormir), irritabilidade, tensão, dificuldade de concentração e problemas de memória, acessos de raiva, choro fácil, mudanças no apetite com ânsia por comida e hipersensibilidade aos estímulos. Além disso pode haver queda da libido", descreve.