Você se preocupa demais?

Fazer vista grossa ou sofrer por antecipação são dois extremos perigosos

POR ANDRESSA BASILIO - ATUALIZADO EM 13/08/2010

Você é uma pessoa rodeada de problemas? Mas hoje em dia quem não é? Ter preocupações faz parte da vida e nos ajuda a criar responsabilidades. Derivada da ansiedade, até certo ponto ela é benéfica. "A preocupação é uma reação normal do ser humano e é boa porque deixa o corpo em alerta fazendo com que ele se adapte às mais variadas situações do ambiente", explica a terapeuta cognitivo-comportamental Denise Pará Diniz, do setor de gerenciamento de qualidade de vida da Unifesp.

Porém, algumas pessoas extrapolam aos estímulos normais e acabam deixando a ansiedade influenciar as decisões que elas tomam na vida. "Essas pessoas tendem a encarar como um fardo tudo o que fazem. Elas vivem em um estado de inquietação permanente que pode ser patológico e fazer mal não só a própria pessoa, mas também a todos aqueles que convivem com ela", explica a especialista. Por outro lado, assumir a postura do cuca-fresca também é negativo. Quem é totalmente despreocupado, uma hora acaba engolido pelo problema que costuma virar uma bola de neve. Mas e você? Faça o teste e descubra se o seu grau de preocupação é considerado normal ou se ele anda ultrapassando os limites.

1/10

Quando você precisa acordar cedo para um compromisso, você?

2/10

Você precisa fazer uma prova importante no meio do mês, então:

3/10

Algum amigo seu adoece. Qual das atitudes abaixo é mais condizente com o que você faria?

4/10

Quando fica resfriado (a), você:

5/10

Foi anunciado que haverá corte na empresa em que você trabalha. Você:

6/10

Sua contas vão ultrapassar seu orçamento do mês, você:

7/10

As festas de fim de ano costumam ser na sua casa. Como você lida com isso?

8/10

Com que frequência você se sente cansado (a) e com dores no corpo?

9/10

Quando vai viajar, você:

10/10

Você tem dificuldades para dormir?