Sintomas de depressão: 27 sinais que merecem atenção

A depressão muda a nossa maneira de enxergar a vida, trazendo pessimismo e desânimo para a rotina; veja como identificar o distúrbio

O que é depressão

A depressão (CID 10 - F33) é um distúrbio emocional que afeta negativamente a rotina do ser humano, provocando sensações como tristeza profunda e desânimo. Apesar dos esforços, a doença impede que as pessoas enxerguem positividade na vida. Por isso, é importante buscar ajuda profissional e estar atento aos sinais para alcançar a cura.

PUBLICIDADE
O que é depressão?

Sintomas de depressão

Muitas pessoas passam anos com depressão e nem ao menos sabem que têm a doença. Vários fatores levam a esse tipo de situação. Um deles é o estigma acerca da saúde mental.


Ouvir que a tristeza está relacionada com a "fraqueza" emocional é algo corriqueiro e, por isso, muita gente tenta reprimir as próprias angústias. Como consequência, elas se sentem cada vez mais desamparadas.

Por isso, é importante não ignorar os sinais que o corpo e a mente manifestam, pois eles podem ajudar no diagnóstico do distúrbio e incentivar a busca por tratamentos. Veja a seguir 27 sintomas de depressão:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas emocionais da depressão

  • Apatia
  • Falta de motivação
  • Medos que antes não existiam
  • Dificuldade de concentração
  • Perda ou aumento de apetite
  • Alto grau de pessimismo
  • Indecisão
  • Insegurança
  • Insônia
  • Falta de vontade de fazer atividades antes prazerosas
  • Sensação de vazio
  • Irritabilidade
  • Raciocínio mais lento
  • Esquecimento
  • Ansiedade
  • Angústia
  • Vontade de morrer
Infográfico: sintomas de depressão (Minha Vida)
Infográfico: sintomas de depressão (Minha Vida)

Sintomas físicos da depressão

De acordo com a psicóloga Priscila Gasparini Fernandes, a depressão desequilibra os processos químicos dos neurotransmissores, que são substâncias responsáveis pelo bem-estar físico e emocional. Como resultado, nossa sensibilidade à dor diminui, assim como a imunidade.

Dessa forma, os sinais físicos mais comuns da depressão são:

  • Dores de barriga
  • Má digestão
  • Azia
  • Constipação
  • Flatulência
  • Tensão na nuca e nos ombros
  • Dores de cabeça
  • Dores no corpo
  • Pressão no peito
  • Queda da imunidade
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Os problemas digestivos surgem comumente pela síndrome do intestino irritável que, após investigação médica, pode estar relacionada com questões emocionais.

Já as dores mais comuns, como as musculares e de cabeça, podem ser consequência da somatização, que é o acúmulo de sentimentos ruins, como medos e inseguranças, sendo descarregados no corpo.

Quem está com depressão também pode se sentir mais cansado que o normal. É como se o ritmo do mundo estivesse excessivamente acelerado e a pessoa não fosse capaz de acompanhá-lo.

O motivo por trás disso é biológico, já que a queda nos níveis de hormônios, como serotonina, noradrenalina e dopamina, causa exaustão e falta de ânimo para realizar qualquer atividade.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas de depressão na gravidez

As variações hormonais e mudanças no corpo da mulher durante a gravidez, acopladas às preocupações excessivas inerentes à essa fase, também podem acabar facilitando o surgimento de doenças mentais, como a depressão.

Portanto, os sintomas da depressão gestacional são:

  • Insônia
  • Ausência ou excesso de apetite
  • Enjoo
  • Fadiga
  • Insônia
  • Medo
  • Redução na libido

Por serem sensações comuns à qualquer gestação, o diagnóstico acaba sendo um pouco mais difícil. Por isso, é importante investigar quaisquer incômodos físicos e emocionais com um médico, para que a mulher e o bebê fiquem bem.

Sintomas de depressão pós-parto

A depressão pós-parto acontece logo quando o bebê nasce e permanece por um curto período de tempo. Com o final da gravidez, o corpo passa por muitas alterações hormonais, o que afeta diretamente o estado emocional das mulheres.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

A maior sensação é a de desesperança e tristeza. Estes sentimentos, quando extremos, podem até configurar um quadro de psicose pós-parto.

Os sintomas mais comuns relatados durante este quadro específico são:

  • Perder ou ganhar peso
  • Vontade de comer mais ou menos que o habitual
  • Dormir muito ou não dormir o suficiente
  • Sentimento de culpa ou indignação
  • Dificuldade em tomar decisões
  • Ansiedade excessiva

Em casos mais graves, podem ocorrer:

  • Pensamentos sobre a morte ou suicídio
  • Vontade súbita e assustadora de prejudicar o bebê
  • Sentir-se desconectada com o bebê e outras pessoas em seu entorno
  • Alucinações, que podem ser visuais, auditivas, olfativas e até táteis
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Caso você esteja passando por alguma dessas situações, não se sinta uma pessoa ruim ou fraca. Milhares de mulheres passam por esse problema, que é potencializado por fatores biológicos e emocionais.

Entenda mais sobre as causas, tratamentos e quando buscar ajuda na depressão pós-parto.

Sintomas de depressão profunda

Caso você esteja passando por quadros depressivos recorrentes e mantém os sintomas por mais de seis meses, pode ser que esteja passando por uma depressão profunda.

Os sintomas, neste caso, são os mesmos da depressão comum, como tristeza profunda, falta de energia e insônia. A diferença está na intensidade destas sensações. Muitas vezes, fatores genéticos e desequilíbrios químicos no cérebro são responsáveis pelo surgimento do distúrbio emocional em sua forma mais agressiva.

Sintomas de depressão bipolar

O transtorno bipolar também pode causar sintomas de depressão. Os sinais apresentados na fase de tristeza são os mesmos de um episódio depressivo. Já nas fases de euforia, o paciente pode apresentar manifestações como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Agitação
  • Ocupação com diversas atividades
  • Obsessão com assuntos específicos
  • Aumento de impulsividade
  • Aumento de energia
  • Desatenção
  • Hiperatividade

Sintomas de depressão sazonal

A depressão sazonal se caracteriza por episódios de tristeza relacionados ao inverno e ocorrem devido à baixa exposição à luz solar. Ela é mais comum em países nórdicos, já que a falta de luminosidade acaba afetando alguns hormônios responsáveis pelo bem-estar.

Os sintomas são os mesmos da depressão em sua forma tradicional, porém são causados por fatores externos.

As festividades ligadas ao final do ano, como Natal e Réveillon, também podem estar relacionadas com a depressão sazonal, já que desencadeiam emoções negativas. Estas datas trazem lembranças das promessas não cumpridas e da ansiedade gerada pela iminência de novas fases.

A solidão e a decepção também são potencializadas nesta época, já que a sociedade constantemente reforça a necessidade de se ter um(a) parceiro(a). Em contrapartida, muitos não têm companhia para celebrar estas datas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas de distimia

A distimia, por outro lado, é um estado crônico de depressão. Diferente da forma comum do distúrbio, esta doença causa sintomas menos intensos, que duram por longos períodos de tempo (dois anos ou mais).

Os sintomas são semelhantes aos de outros subtipos da depressão, entretanto, alguns são mais específicos, como:

  • Baixa autoestima
  • Baixa produtividade
  • Sentir-se inadequado
  • Ser excessivamente crítico(a)
  • Reclamar constantemente
  • Ser incapaz de se divertir

Sintomas de depressão infantil

Crianças que sofrem maus tratos domésticos, bullying, discriminação e rejeição por parte da família e outros grupos sociais têm maiores chances de desenvolver depressão. Caso os pequenos estejam se sentindo desanimados e com dificuldade para realizar atividades que gostavam, é necessário investigar.

Outros sintomas da depressão infantil podem envolver:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Desânimo persistente
  • Alterações de apetite e sono
  • Frases muito pessimistas
  • Baixo rendimento escolar

Depressão X ansiedade: como diferenciar os sintomas?

A ansiedade deixa a pessoa em um estado de alerta constante. Desta forma, ela está sempre preocupada com as possibilidades e se conseguirá lidar com as situações que a vida lhe proporciona.

Esse estado mental é desgastante, causando problemas relacionados ao sono, inquietação, irritabilidade e falta de atenção. Estes sintomas diminuem a autoestima, o rendimento profissional e a energia vital.

Notar a queda do próprio bem-estar traz tristeza e desânimo, que são sintomas típicos da depressão. Ou seja, os dois distúrbios emocionais comumente se associam e podem coexistir dentro das pessoas. Mas, mais importante do que diferenciá-los, é procurar auxílio profissional.

Diferença entre tristeza e depressão

Diferente da depressão, a tristeza ocorre quando a pessoa vivencia alguma situação pontual desconfortável ou decepcionante. Em média, demoramos de quinze a vinte dias para assimilar e superar algo que causou melancolia.

Entretanto, quando a infelicidade se instala na rotina e ultrapassa o período de um mês, pode ser depressão. Quando não tratada, ela pode evoluir e passar por três estágios: depressão leve (CID 10 F33.0), depressão moderada (CID 10 - F33.1) e depressão grave (CID F33.2).

Teste de depressão

Não é saudável realizar diagnósticos de quaisquer doenças emocionais pela Internet. Entretanto, é importante tentar reconhecer alguns sintomas para saber se é preciso buscar ajuda médica.

Por isso, confira nosso teste de sintomas de depressão, em que é possível verificar seus conhecimentos sobre a doença e refletir se você está experienciando os sinais.

Referências

  • Clínica Mayo, organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos que reúne conteúdos sobre doenças, sintomas, exames médicos, medicamentos, entre outros
  • Fábio Roesler, psicólogo e Neuropsicólogo da Clínica de Cefaleia e Neurologia "Dr Edgard Raffaeli"
  • Organização Mundial da Saúde (OMS)
  • Psiquiatra Pérsio Ribeiro Gomes de Deus (CRM-SP 31.656), diretor técnico de saúde do Hospital Psiquiátrico da Água Funda (SP)
  • Psicóloga Priscila Gasparini, com especialização em neurologia e doutora pela Universidade de São Paulo (USP)

Depressão não é frescura

14 coisas que pessoas com depressão querem que você saiba

Ansiedade e depressão não são quadro opostos: entenda