Entenda como a ocitocina sintética é usada no parto normal

O hormônio produzido em laboratório é usado em situações específicas para melhorar o trabalho de parto

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 08/01/2014

Dra. Bárbara Murayama
Ginecologia e Obstetrícia - CRM 112527/SP
especialista minha vida

A ocitocina é um hormônio naturalmente produzido pelo nosso organismo para gerar as contrações do útero durante o trabalho de parto e a liberação do leite durante a amamentação. Ele foi sintetizado em laboratório e assim se tornou uma medicação muito útil, que pode ajudar a salvar vidas, se corretamente indicado.

PUBLICIDADE

Esse hormônico também pode ser usado para iniciar o trabalho quando ele não ocorre naturalmente, podendo regularizar as suas contrações quando elas não estiverem efetivas e for diagnosticado que o trabalho de parto não está evoluindo de maneira adequada.

Além disso, também pode ser usado para contrair o útero após o parto ou aborto, quando o sangramento está muito abundante, prevenindo hemorragias que poderiam levar a perda do útero e até a morte se não controladas adequadamente. É normal ocorrer sangramento após o parto, mas essa perda de sangue não pode ser muito forte, pois o risco de haver uma hemorragia nessa fase aumenta a cada parto que a mulher tenha, podendo ser maior em gestações gemelares, independente se for parto normal ou cesárea, por exemplo.

Desvantagens do hormônio sintético

Como todo medicamento, há efeitos colaterais. Pode haver, por exemplo, rotura do útero quando usado durante o trabalho de parto. Por isso é uma medicação que só deve ser utilizada em ambiente hospitalar para gestão do trabalho de parto, sob prescrição e supervisão médica para que a dose e a infusão sejam feitas adequadamente.

As contrações causadas pela ocitocina artificial podem ser mais doloridas, mas quando se utiliza, é porque foi feito um diagnóstico de algum problema no andamento do trabalho de parto. E se a mãe optou pelo parto sem analgesia, pode conversar com seu médico, para avaliar a possibilidade da analgesia ou lançar mão de outras técnicas como banho, massagens, que aliviam parcialmente a dor.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

É preciso entender que a ocitocina é utilizada como um medicamento, e portanto deve ser utilizado apenas quando há necessidade. Existem também situações que contraindicam o seu uso, como a alergia a algum componente da medicação.

Conversar com o médico é fundamental

É importante que a mulher escolha seu obstetra após conversar muito sobre esse assunto e todos os outros relacionados ao momento do parto. Hoje existem mulheres que não desejam receber nenhum tipo de intervenção durante o trabalho de parto, mas é preciso entender que o obstetra, tanto quanto os pais, só quer o melhor para o a mãe o bebê e fará o que estiver ao seu alcance para entregar à família o binômio mãe e bebê saudáveis.

Mas é claro, que como tudo na medicina, há variações e linhas de pensamento diversas entre os médicos, baseado na literatura médica, já que o estudo do ser humano não é uma ciência exata. Então, além de entender e esclarecer dúvidas é importante que se encontre um profissional obstetra que se encaixe nas suas expectativas. Nem sempre seu ginecologista de toda vida será seu obstetra e não há que se ter vergonha de perguntar, conhecer outros profissionais.

Quando explicamos desde o início todo o processo, o que pode acontecer e o que será necessário fazer em cada situação, o casal se sente seguro e na hora do parto deixa que a médica e sua equipe trabalhem, se preocupando apenas em aproveitar o momento e curtir.