Esperar um bebê após os 40 exige cautela dobrada

Planejamento é fundamental para o sucesso da gravidez tardia

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 21/03/2007

Esperar pelo topo da carreira e pela estabilidade financeira. Escolher com calma e cuidado o parceiro para o resto da vida. Aproveitar a liberdade da vida de solteira ou de ser um casal sem filhos antes de começar a própria família. São motivos como esses que levam cada vez mais mulheres ter filhos depois dos 40 anos. Segundo o Ministério da Saúde, a proporção de partos com mães maduras aumentou 11% entre 1996 e 2002. Se é o seu caso, é bom saber que a gravidez é bem diferente nessa fase da vida.

Do ponto de vista biológico, o auge reprodutivo da mulher ocorre entre os 23 e 25 anos. Até dez anos depois (ouantes, em caso de acidente acidente) é possível engravidar sem grandes prejuízos para a saúde da mãe e do bebê.

Mas o relógio biológico leva esse nome justamente porque conta o tempo do organismo. Quanto mais velha, mais velhos os óvulos, o que pode causar problemas de fertilidade e de desenvolvimento do nenê, além de aumentar os perigos para a mãe.



Uma gestação tardia tem mais riscos, tanto de aborto espontâneo no inicio da gestação, como de anomalias no feto e de alterações na saúde da mãe, como desenvolver diabetes e pressão alta , afirma Luisa Guedes de Oliveira, médica obstetra. Por isso, se você esperou até agora, melhor ter um pouquinho mais de paciência, e planejar essa gestação passo a passo. Cercar-se de cuidados antes, durante e depois é sua maior chance de ter um filho saudável sem prejudicar sua saúde.

Antes de engravidar, é recomendável procurar um médico, que através de exames irá avaliar a saúde da mãe e as chances de uma gravidez bem-sucedida. É também o momento para verificar como anda a fertilidade do casal talvez seja necessário uma ajudinha hormonal ou até mesmo um tratamento completo. Algumas medidas para prevenir problemas com o bebê podem começar antes da gestação, como tomar suplementos de ácido fólico para diminuir a chance de má-formações do sistema nervoso.

Como toda gestante, é importantíssimo fazer o acompanhamento pré-natal. Só que, para as mães com mais de 40 anos, ele é mais detalhado. Como o risco de ter problemas no desenvolvimento do bebê é maior, é obrigatório fazer outros exames de acompanhamento, mais sofisticados.



São nomes complicados como exame de translucência nucal, doppler de venoso e ultra-som morfológico, que apontam se o bebê está saudável. Se aparecer alguma suspeita, são feitos biópsias e exames genéticos.

Os cuidados comuns a todas as grávidas, como adotar uma dieta equilibrada, tomar os suplementos indicados pelo médico, manter uma atividade física leve e regular, descansar e espantar o estresse devem ser levados ainda mais a sério nessa gestação. Se esse for o primeiro filho, o casal pode enfrentar uma grande tensão. É que o evento acaba sendo visto como a primeira e última chance de gerar um bebê. Antes de ficar aflita, lembre-se que a maternidade tardia é algo possível contanto que você tome os cuidados certos.



Qual a melhor dica que você já recebeu para levar adiante
uma gravidez tranqüila?



PUBLICIDADE