Licença paternidade deve ser igual à das mães, defende ator

Segundo Gregório Duvivier, prática poderia reduzir desigualdade entre homens e mulheres

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 06/03/2018

Algumas empresas ainda reforçam a desigualdade de gênero e evitam contratar mulheres pelo simples fato de que elas engravidam. Tornar igual o tempo da licença de pais e mães poderia acabar com esta prática. É o que defendeu Gregório Duvivier, ator e pai da recém-nascida Marieta (1 mês), em entrevista ao canal do YouTube da jornalista Leda Nagle.

PUBLICIDADE

O ator pediu um afastamento de dois meses do canal Porta dos Fundos para cuidar da pequena com sua companheira, a consultora Giovanna Nader. "Melhor coisa que eu fiz na vida", exclamou Gregório, exaltando a rotina dos primeiros meses da filha. No começo, eles não terão ajuda de babás. "Enquanto o homem não parar a vida pra cuidar de um recém-nascido, vai ter desigualdade", completa.

Quando um bebê nasce, exige atenção integral. Para as mães, esta carga ainda é somada à recuperação pós-parto e à amamentação. Por isso, é importante que os pais possam e queiram estar presentes nesta fase.

Além disso, os benefícios de uma paternidade presente se mostram por toda a vida da pessoa. A psicoterapeuta Mara Pusch já afirmou ao Minha Vida que a figura paterna é essencial, pois serve de suporte para o desenvolvimento da criança e ganha diferentes contornos no processo social e afetivo, de acordo com cada etapa da infância.