Prática de exercício físico reduz internações de portadores de DPOC

Sedentarismo é relacionado à debilidade física dos pacientes, diz estudo

POR REDAÇÃO - ATUALIZADO EM 04/11/2016

Só no Brasil, cerca de cinco milhões de pessoas sofrem com a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), de acordo com o Ministério da Saúde. Respiração curta, quase ofegante, e tosse persistente são alguns dos principais sintomas do problema, causado principalmente pelo tabagismo. Estudos recentes vêm demonstrando que o exercício físico pode funcionar muito bem no controle da DPOC. O mais recente deles será divulgado na conferência anual da American Thoracic Society, realizada nos Estados Unidos entre os dias 17 e 22 de maio.

A pesquisa realizada pela Universidade de Connecticut mostra que a mensuração clínica do nível de atividade física indica as chances de ocorrer internação hospitalar em pacientes com a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Para chegar a esta conclusão, foram comparados os registros de sessenta indivíduos com DPOC e, em seguida, avaliados seus número de internações e nível de atividade física.

Para isto, cada paciente usou um acelerômetro triaxial, um dispositivo instalado ao redor da cintura do paciente e usado para medir a atividade física em medidas chamadas de unidades de vetor magnitude (ou VMUs). Eles fizeram um teste de caminhada de seis minutos e tiveram medido seu volume expiratório forçado de um segundo, que mede a quantidade de ar que o paciente consegue exalar em um segundo. Foi avaliada ainda a necessidade do uso de oxigênio.

Os pesquisadores notaram que pacientes que andaram menos de 350 metros no teste de caminhada e tiveram score abaixo de 150 VMUs, estavam significativamente mais propensos à internação hospitalar por qualquer causa. De maneira geral, 21 pacientes foram hospitalizados por problemas respiratórios e 34 pacientes foram hospitalizados por outras causas.

Os responsáveis pelo estudo chamam atenção para a necessidade da prática de exercícios físicos, bem orientados e supervisionados, pelos portadores de DPOC. O sedentarismo, comum entre esses pacientes, está fortemente ligado à debilidade física.

Musculação é aliada no tratamento da DPOC

A musculação é um dos exercícios que pode beneficiar os pacientes de DPOC. Além disso, portadores outras doenças crônicas apresentam melhora nos sintomas e ganham qualidade de vida com os treinos regulares dessa modalidade. O cuidado fundamental é conversar com seu médico antes e entender as limitações do seu corpo para execução de um treino seguro, sem risco de lesões. A seguir, você descobre sete doenças que têm os sintomas amenizados pela pratica de musculação.

Osteoporose

A tração que o músculo exerce sobre o osso quando é realizado o movimento da musculação estimula o remodelamento ósseo. "Ocorre um aumento da produção de células ósseas, da fixação de cálcio e da densidade do osso", afirma o educador físico Gustavo Neves Abade, treinador de corrida e condicionamento físico da Assessoria Branca Esportes - São Paulo. Mas o exercício merece atenção e orientação adequada, já que há risco de fraturas se o peso colocado estiver acima da capacidade do praticante.