Joelho: diagnóstico, prevenção e tratamento

O problema é muito comum e não atinge apenas atletas

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 05/06/2008

André Pedrinelli
Ortopedia e Traumatologia

O joelho é uma articulação dividida entre o pivô central, composto pelos ligamentos cruzados e pelos meniscos e a porção periférica, formada pelos ligamentos colaterais, pelos tendões e músculos que envolvem a articulação.

As lesões ligamentares mais leves incluem pequenos estiramentos e contusões, sem intercorrências biomecânicas mais graves. Há as lesões intermediárias, acometendo os ligamentos laterais do joelho até as lesões graves, acometendo os ligamentos centrais, comuns e temidas entre os profissionais do esporte. Os meniscos são duas estruturas de fibrocartilagem que tem como uma das suas funções absorver o impacto do joelho. Quando lesados, podem apresentar roturas de diferentes extensões e localizações e diversas manifestações clínicas. A cartilagem articular, os tendões e os músculos também podem ser lesionados.

Após a entorse do joelho, é recomendado manter-se repouso articular e iniciar a aplicação de gelo o mais breve possível, com duração de 15 minutos, várias vezes ao dia e evitando-se o contato direto com a pele para impedir uma lesão térmica.

Outro cuidado necessário é evitar-se a carga sobre a perna lesionada, utilizando-se um par de muletas até a avaliação da extensão da lesão por um médico ortopedista. As tendinites e as contusões do joelho costumam melhorar após o repouso, o uso de meios físicos e de fisioterapia.

As lesões dos ligamentos colaterais necessitam de uma imobilização mais prolongada para a correta cicatrização dos mesmos. Já as lesões dos ligamentos cruzados e dos meniscos podem necessitar de tratamento cirúrgico. Atualmente, procedimentos por artroscopia, menos invasivos, são realizados para o diagnóstico e o tratamento, possibilitando o retorno precoce à atividade física.

As lesões crônicas do joelho possuem um amplo espectro de limitação funcional.

São causas: síndromes de desequilíbrio muscular, lesões da cartilagem articular e a artrose do joelho. As dores crônicas do joelho podem ser tratadas com o uso contínuo de medicamentos protetores da cartilagem e analgésicos, o re-equilíbrio muscular e a fisioterapia.

Caso não haja melhoria com o tratamento conservador e exista degeneração articular grave, a artroplastia total do joelho pode ser indicada como último recurso. A melhor prevenção para evitar as lesões no joelho se faz com uma boa preparação muscular e proprioceptiva para as atividades físicas, além da prática esportiva em piso adequado e utilização de equipamentos esportivos corretos.

Concluindo, o diagnóstico preciso e o exercício físico bem orientado por profissional capacitado é essencial para se prevenir o aparecimento e eventualmente tratar as lesões do joelho.

Dr. André Pedrinelli é ortopedista, Traumatologista, Médico do Esporte, Assistente do Grupo de Medicina do Esporte do Instituto de Ortopedia e Traumatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)

Para mais informações: Tel.: (11) 3063-2103

Co-autores: André Paranzini Faria e o Thiago Lazaretti.

PUBLICIDADE