Seis hábitos que prejudicam a fertilidade masculina

Obesidade e tabagismo podem fazer a qualidade do esperma piorar

POR ANDRESSA BASILIO - PUBLICADO EM 07/09/2010

Que os homens cuidam menos da saúde, isso já está provado e comprovado por várias pesquisas. A última delas, feita pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE, evidencia que 79,4% da população masculina autoavalia sua saúde como boa ou muito boa e, por isso, não acha necessário uma visita ao médico. E não é só o coração ou a pressão que saem prejudicados com a omissão. Alguns maus hábitos que a ala masculina costuma ter pode trazer consequências diretas para a fertilidade.

A Organização Mundial de Saúde define um nível normal da concentração espermática como sendo aproximadamente 20 milhões/ml ou mais. Abaixo disso já é considerado preocupante para a saúde masculina. Veja abaixo o que colabora para a má qualidade dos espermatozoides.

Obesidade

Um estudo recente feito pela Fertility and Sterlity descobriu que os obesos tendem a ter uma contagem de esperma baixa em comparação aos homens mais magros, pois o alto nível de gordura corporal está associado à mudanças no conjunto de proteínas que permite a sobrevivência e função do espermatozoide. E não é só isso. Além de serem em menor quantidade, os que sobram tendem a moverem-se sem rumo, o que dificulta a concepção. "Os testículos ficam dentro de uma bolsa que precisa ter uma temperatura menor que a do corpo, por isso, o saco escrotal fica pendurado. Só que quando o homem tem muito tecido adiposo, as partes do corpo ficam em contato com o saco escrotal e acaba elevando a temperatura da região, prejudicando a qualidade do espermatozoide", explica o urologista Carlos Gobbo, da Unesp.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.