Seis hábitos que prejudicam a fertilidade masculina

Obesidade e tabagismo podem fazer a qualidade do esperma piorar

POR ANDRESSA BASILIO - PUBLICADO EM 07/09/2010

Que os homens cuidam menos da saúde, isso já está provado e comprovado por várias pesquisas. A última delas, feita pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE, evidencia que 79,4% da população masculina autoavalia sua saúde como boa ou muito boa e, por isso, não acha necessário uma visita ao médico. E não é só o coração ou a pressão que saem prejudicados com a omissão. Alguns maus hábitos que a ala masculina costuma ter pode trazer consequências diretas para a fertilidade.

A Organização Mundial de Saúde define um nível normal da concentração espermática como sendo aproximadamente 20 milhões/ml ou mais. Abaixo disso já é considerado preocupante para a saúde masculina. Veja abaixo o que colabora para a má qualidade dos espermatozoides.

Pense

Ao envelhecer, os homens já apresentam queda na qualidade e quantidade do esperma. "A partir dos 45 anos, os homens começam a procurar mais os médicos porque notam dificuldades de ereção, desânimo, falta de disposição. Muitos desses homens podem estar iniciando uma fase chamada Distúrbio do Envelhecimento Masculino, caracterizada por um declínio das faixas hormonais e da qualidade seminal. Por isso, ao notar os primeiros sintomas, o ideal é procurar um médico", ensina o urologista Carlos Gobbo. Quanto mais saudável são os hábitos, maior a longevidade e maior a qualidade do esperma, como mostra um trabalho publicado no American Journal of Edipemiology. "Fazer exercícios físicos, evitar excessos na alimentação, ter um relacionamento afetivo estável e acabar com os vícios prejudiciais para a saúde, vão ajudar a aumentar sua fertilidade e qualidade de vida", explica o urologista da Unesp.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.