Oito hábitos para tratar os sintomas do Parkinson

Atividades facilitam a realização de movimentos e diminuem a tremedeira

POR CAROLINA SERPEJANTE - PUBLICADO EM 04/04/2012

Movimentos mais lentos, tremedeira, dificuldades para caminhar, se alimentar e se vestir. Tudo isso é resultado da Doença de Parkinson, uma disfunção na área do cérebro responsável pelos movimentos, principalmente os chamados automáticos, que são aqueles que fazemos sem pensar - como respirar, andar ou levantar de uma cadeira. A fisioterapeuta, especializada em reabilitação neurológica Mariana Vulcano Siqueira, da Associação Brasil Parkinson, explica que essas tarefas são as mais difíceis para o portador da doença. "Entretanto, com a realização de alguns exercícios e atividades simples é possível melhorar o convívio do paciente com a doena", diz.

No Dia Mundial do Parkinson (11 de Abril), uma série de especialistas indicam os hábitos que podem ajudar o paciente a executar tarefas diárias com mais independência e até mesmo prevenir outras complicações da doença. Vale ressaltar que as recomendações são mais eficientes se forem seguidas quando o diagnóstico ainda é recente.

Origami

Em fases mais avançadas da doença, o paciente pode ter dificuldades em desenvolver a motricidade fina, que são os movimentos precisos, como abotoar uma camisa, escrever ou pegar coisas usando apenas dois dedos. De acordo com a fisioterapeuta Mariana, a prática do origami estimula a motricidade e dá mais precisão aos movimentos, tornando essas atividades mais fáceis. "Também podem ser feitos outros exercícios específicos para a motricidade fina, como apertar um pregador ou envolver as mãos em um elástico e fazer movimentos de abrir e fechar", afirma.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.