As dez respostas que você precisa saber ao receber um diagnóstico de câncer

Especialistas dão dicas que podem até tornar o tratamento mais eficaz

POR LAURA TAVARES - ATUALIZADO EM 19/10/2016

Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam estimativa de 600 mil novos casos da doença no Brasil em 2016. Mesmo com os tratamentos cada vez mais avançados, receber um diagnóstico de câncer ainda pesa. Grade parte dos pacientes sai do consultório médico em pânico, imaginando desdobramentos que, não necessariamente, têm chances de acontecer - o susto, muitas vezes, é baseado em histórias fictícias ou em episódios de pessoas conhecidas. "Trata-se de uma notícia de impacto, certamente", afirma a psico-oncologista Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia. "Mas é preciso ir atrás de informação antes de se desesperar", complementa.

Os efeitos colaterais da medicação, as chances de cura e a necessidade de mudar a rotina são alguns dos pontos que mais geram dúvidas. Especialistas no assunto indicam dez informações essenciais, capazes de ajudar os pacientes que acabaram de receber um diagnóstico de câncer a vencerem este momento com mais serenidade.

Diagnóstico em estágio inicial

Segundo o oncologista Anderson Arantes Silvestrini, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), o diagnóstico do câncer em fase inicial aumenta não só as chances de cura, mas também o tempo de sobrevida do paciente com câncer. "Além disso, o tratamento tende a ser menos tóxico e com menor tempo de duração". O oncologista faz uma comparação apontando que a taxa de cura de pacientes com câncer de mama em estágio I é de 90%, enquanto que a taxa de cura de pacientes com o mesmo problema em estágio III é de 40%. Por isso, cultivar bons hábitos de vida e realizar exames de prevenção é fundamental.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.