Conheça os fatores de risco e previna-se contra o câncer de pele

O perigo vai muito além do tom de pele; cabelo e olhos têm relação direta com a doença

POR CAMILLA ROLIM - ATUALIZADO EM 28/11/2016

No dia 30 de novembro é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Câncer de Pele. Neste ano, a Sociedade Brasileira de Dermatologia disponibilizará cerca de 4000 médicos voluntários. Serão, ao todo, 139 postos distribuídos pelo Brasil que realizarão atendimento simultâneo para análise, diagnóstico e posterior tratamento da doença, das 9 às 15 horas. Veja aqui qual é o posto de atendimento mais perto de você.

O câncer da pele é o tipo de tumor mais incidente na população - cerca de 25% dos cânceres do corpo humano são de pele. Pessoas que tomaram muito sol ao longo da vida sem proteção adequada têm um risco aumentado para esta doença. Isso porque a exposição solar desprotegida agride a pele, causando alterações celulares que podem levar ao câncer. "Tomar sol é algo cumulativo, que fica registrado para sempre no corpo", afirma a dermatologista Marcia Puceli, especializada em câncer de pele pela Unifesp. Por isso que a prevenção deve acontecer desde a infância e durar por toda a vida.

Um estudo realizado com mais de duas mil pessoas no Reino Unido pela Instituição Nuffield Health alerta para um dado ainda mais preocupante: um terço das pessoas não consegue reconhecer os sintomas do câncer de pele. A pesquisa também comprovou que 49% dos participantes analisados acreditam que seu risco de desenvolver a doença é baixo ou inexistente.

Só lembrar a proteção nos dias de praia é um erro. Ir trabalhar, passear no parque, pegar ônibus, qualquer atividade fora de casa deve ser motivo você se prevenir contra os raios solares UVA e UVB - e o cuidado é ainda mais importante no caso de algumas pessoas mais sensíveis a doenças graves como melanoma e carcinoma. "Quem tem dificuldade para se bronzear, notou o surgimento de muitas pintas pelo corpo ou até mesmo nasceu com olhos azuis tem mais chance de ter câncer de pele, principalmente a partir dos 40 anos", afirma a dermatologista espanhola Isabel Longo, da European Association of Dermatologic Oncology. Os fatores de risco para câncer de pele são simples de identificar, os especialistas ajudam você a seguir.

Histórico familiar de câncer de pele

Como é o caso de muitas doenças, o histórico familiar indica maior possibilidade de desenvolver câncer de pele. Mas fique atento para as diferenças: se alguém na sua família já teve carcinoma, não é necessário se assustar, mas avise o médico. O carcinoma, como as sardas, é resultado exagero na exposição solar. "O maior problema está no melanoma, que ainda tem um lado genético não muito bem compreendido pela medicina", afirma a dermatologista Márcia Puceli. As características que tornam uma pele mais sensível também podem ser herdadas. "Por isso é tão importante prestar atenção na maneira como cada pele reage ao sol - tanto a sua quanto a dos familiares".

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.