Estudo liga produtos de limpeza ao maior risco de asma em adultos

Profissões que exigem contato com produtos químicos elevam as chances

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 22/01/2013

Pessoas que trabalham com produtos de limpeza têm mais risco de ter asma, segundo especialistas da Imperial College London, no Reino Unido. Os resultados da pesquisa foram publicados dia 21 de janeiro na revista médica Thorax.

Para o estudo, foram analisadas 7.406 pessoas, todas sem histórico de asma na infância e com idades entre 50 e 60 anos. Elas responderam a um questionário sobre suas atividades no trabalho e fizeram exames para identificar problemas de saúde respiratórios. Fatores como sexo, tabagismo e classe social no nascimento foram levados em conta.

Analisando os resultados, os autores descobriram que a exposição a alvejantes e outros produtos químicos estava ligada a um em cada seis casos de britânicos que desenvolveram asma após os 50 anos. Eles identificaram 18 ocupações de alto risco para a doença, entre elas agricultores, faxineiros, cabeleireiros e funcionários de lavanderia. Segundo especialistas, a culpa pela maior incidência de asma parece ser do ambiente de trabalho desses profissionais e o alto índice de inalação de partículas, e não das atividades que eles desenvolvem em seu dia a dia.

Os pesquisadores afirmam que quando partículas muito finas de substâncias presentes nesses produtos são inaladas, acabam causando irritações. Eles contam que as empresas devem controlar a exposição de seus funcionários a substâncias perigosas e relatar todos os casos de asma ocupacional.

Evite as crises de asma com esses nove cuidados
Marcada por uma forte dificuldade em respirar, a crise de asma é provocada por uma reação inflamatória nos brônquios, os tubos que levam o ar respirado até os pulmões. Em resposta a essa inflamação, eles ficam mais estreitos, dificultando a respiração. A crise de asma pode ser causada pela exposição a alérgenos - como poeira, mofo, cheiros fortes e medicamentos. "É muito importante evitar crises, uma vez que, se forem frequentes, elas levam à perda de capacidade pulmonar", explica a pneumologista Marcia Pizzichini, da comissão de asma da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT). A boa notícia é que é totalmente possível prevenir as crises de asma. Confira a seguir.

Garanta as doses de vitamina D A carência da vitamina D está sendo relacionada a uma série de doenças do aparelho imunológico e a asma é uma delas. O papel da vitamina D na importância do tratamento da asma é recente." Para a asma em especial, as evidências ainda são fracas porém, não porque não haja benefício mas, provavelmente porque ainda não foram realizados estudos suficientes para se estabelecer algum tratamento ou uma relação de causa-efeito", explica o clínico geral Paulo Camiz, do Hospital das Clínicas.

Um estudo apresentado no Encontro Anual da Academia Americana de Alergia Asma e Imunologia, em 2010, apontou que a deficiência do nutriente pode aumentar os riscos de doenças pulmonares mais graves em crianças. A pesquisa, que avaliou 99 crianças com asma, mostrou que 47% delas tinham níveis insuficientes de vitamina D.

De qualquer forma, vale a pena ressaltar que a principal fonte de vitamina D é a exposição solar, que dever ser feita por cerca de 15 minutos, três vezes por semana. Ovos, manteiga, iogurtes e peixes, como atum e sardinha, são fontes da vitamina.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.