Diabetes: bomba de insulina reduz episódios de hipoglicemia, diz estudo

Novo produto interrompe liberação de hormônio se os níveis de glicemia estiverem baixos

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 24/06/2013

Um dos maiores problemas para pacientes com diabetes tipo 1 é ministrar sua insulina corretamente, evitando problemas como a hipoglicemia. Pensando nisso, pesquisadores do International Diabetes Center da clínica Park Nicollet (EUA) mostraram em seu novo estudo que um dispositivo inteligente de liberação de insulina, que se interrompe quando o nível de açúcar no sangue está baixo, é capaz de evitar episódios de hipoglicemia. Os resultados foram publicados dia 22 de junho do New England Journal of Medicine.

Os autores acompanharam 247 pacientes com diabetes tipo 1, que foram divididos em dois grupos: o primeiro usou a bomba "inteligente", e o outro, as convencionais. Nesses dispositivos, um aparelho do tamanho de um celular é ligado ao corpo por um cateter com uma agulha na extremidade, inserida na região subcutânea do abdômen, braço ou da coxa. A diferença entre os dispositivos convencionais e o inteligente é que este interrompe o fornecimento de insulina por duas horas se o nível de glicemia ficar abaixo de 70 mg/dl, equanto a tradicional não interrompe a liberação do hormônio.

Analisando os resultados, os cientistas descobriram que o grupo com o aparelho que interrompia a insulina teve 32% menos eventos de hipoglicemia, principalmente noturna, do que aqueles que não usaram o aparelho. O trabalho deve abrir caminho para a comercialização do produto nos EUA. Essa bomba de insulina inteligente já é vendida na Europa, e no Brasil seu uso é restrito devido ao alto custo.

Sete mudanças que ajudam a conviver bem com o diabetes
No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, mais de 6 milhões de pessoas sofrem com o diabetes, sem contar os que desconhecem possuir a doença. O problema pode trazer perda ou aumento de peso, é fator de risco para problemas cardiovasculares e, nos casos mais graves, provocar falência de órgãos (rins, olhos) e até a morte. Apesar dos perigos, é completamente controlável. No entanto, apesar de ser uma doença crônica, é possível conviver bem com o diabetes - basta que o paciente tenha hábitos saudáveis e siga corretamente as indicações médicas. "Os riscos mais graves do diabetes, como perda total da visão, amputação e falência renal ocorrem em pacientes que não tiveram tratamento adequado", de acordo com o endocrinologista Josivan Lima, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia - SBEM. A seguir, veja as mudanças que melhoram a vida de quem tem diabetes.

Evite os problemas vasculares

O diabetes provoca a aceleração do endurecimento das artérias, levando à má irrigação dos tecidos. As artérias coronárias são afetadas, podendo levar ao infarto cardíaco, além das artérias renais, levando a insuficiência renal grave.

A doença também afeta a microcirculação, ou seja, lesionando as pequenas artérias (arteríolas) que nutrem os tecidos, que atingem especialmente as pernas e os pés. Assim, é importante que ao ter dores ao caminhar, pés frios e pálidos, feridas que não cicatrizam facilmente, formigamento, "fraqueza nas pernas", deve-se procurar um angiologista ou cirurgião vascular, que pode avaliar com maior precisão os sintomas e tomar as medidas médicas para evitar maiores danos, como a amputação do membro afetado.

Também é importante evitar saunas e escalda-pés. "Em função desta alteração circulatória, os riscos de exposição às altas temperaturas e aos choques térmicos podem agravar ou desencadear quadros de angiopatias e outros problemas cardíacos", de acordo com a nutricionista Patrícia Ramos, coordenadora do Hospital Bandeirantes.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.