AVC: 15 minutos de atraso no atendimento rouba um mês de vida saudável do paciente

Estudo afirma que pessoas jovens e mulheres são mais beneficiadas

POR REDAÇÃO - ATUALIZADO EM 28/03/2017

Quando se trata de primeiros socorros para o AVC, cada minuto conta. É a conclusão de um estudo publicado dia 17 de março na revista Stroke, da American Heart Association, mostrando para cada minuto ganhado pelo paciente acrescenta 1,8 dias de vida saudável.

O acidente vascular cerebral é uma doença que afeta as artérias do corpo que conduzem ao cérebro, e ocorre quando um vaso sanguíneo que transporta oxigênio e nutrientes para o cérebro é bloqueado por um coágulo ou hemorragia. Quando isso acontece, uma parte do cérebro é incapaz de obter o sangue e oxigênio que necessita, causando a morte dessas células cerebrais. É por isso que o tratamento imediato é tão vital - ele reduz os riscos de morte cerebral.

Os pesquisadores da Universidade de Melbourne, na Austrália, acompanharam 2.258 pacientes de AVC na Austrália e na Finlândia e calcularam quais foram os resultados pós-evento nos pacientes que foram tratados precoce e tardiamente.

Para cada minuto que o tratamento poderia ter sido feito mais rapidamente, a equipe descobriu que os pacientes ganharam uma média de 1,8 dias de vida extra sem deficiência, enquanto cada atraso de 15 minutos resultou na perda de um mês de vida saudável.

Além disso, eles descobriram que os pacientes jovens sofriam mais benefícios do que os pacientes mais velhos do tratamento mais rápido, e as mulheres ganharam um pouco mais do que os homens.

AVC: saiba quais os primeiros socorros durante um derrame
A cada ano, cerca de seis milhões de pessoas morrem de acidente vascular cerebral (AVC), sendo essa a primeira causa de morte e incapacidade no Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares (SBDCV) e Academia Brasileira de Neurologia (ABN). "O AVC, que atualmente é chamado de AVE (acidente vascular encefálico), ocorre quando existe a interrupção da oferta de oxigênio e nutrientes em um território do cérebro, cerebelo ou tronco cerebral", explica o cardiologista Rafael Munerato, do laboratório Pasteur. Essa interrupção pode ocorrer devido a um entupimento, que é o AVC isquêmico, ou rompimento de um vaso, caso do AVC hemorrágico. Os fatores de risco são semelhantes aos do infarto do miocárdio: tabagismo, obesidade, sedentarismo, diabetes, hipertensão e colesterol elevado. Dessa forma, a adoção de hábitos saudáveis e controle de doenças metabólicas e cardiovasculares é essencial para prevenir esse mal. "E quando falamos de cuidado, é preciso reconhecer os principais sintomas do AVC para que o atendimento seja feito o mais rápido possível, uma vez que isso é decisivo para a boa recuperação do paciente", alerta o neurologista André Felício, de São Paulo. Se você ainda tem dúvidas sobre o que fazer quando se tem um derrame cerebral, confira:

Sintomas podem ser discretos

É muito comum acharmos que, em caso de derrame cerebral, a pessoa irá passar mal e desmaiar, devendo ser encaminhada para o hospital. Entretanto, os sintomas são muito mais sutis. "Dormência e fraqueza em uma metade do corpo, alteração da fala e desequilíbrio são alguns dos sintomas de AVC", explica a neurologista e neurofisiologista Adriana Ferreira Barros Areal, do Hospital Santa Luzia, em Brasília. É importante entender que o AVC se manifesta como uma perda neurológica súbita, ou seja, mudanças em seus movimentos, fala, visão ou qualquer outra coisa que funcionava de uma determinada maneira e parou de repente ou então você começou a fazer de outra maneira. É extremamente importante saber reconhecer o AVC o mais rápido possível, pois o tratamento precoce fará toda a diferente no futuro desse paciente. Confira alguns dos principais sintomas de AVC:

- Diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um lado do corpo;
- Sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo;
- Perda súbita de visão em um olho ou nos dois olhos; - Alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular, expressar ou para compreender a linguagem;
- Dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente;
- Instabilidade, vertigem súbita intensa e desequilíbrio associado a náuseas ou vômitos.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.