Apneia do sono aumenta em três vezes risco de morte por câncer

Distúrbio também duplica chances de desenvolver tumores, diz estudo

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 22/04/2014

Pesquisadores da University of Sydney Nursing School descobriram que pessoas com apneia obstrutiva do sono moderada ou grave podem ser 250% mais propensas a desenvolver câncer e com até 340% mais chances de morrer pela doença. Os resultados foram publicados em abril no Journal of Clinical Sleep Medicine.

Os cientistas acreditam que isso acontece porque a apneia do sono priva alguns dos tecidos do corpo de receber oxigênio, o que poderia incentivar o crescimento de tumores. A apneia obstrutiva do sono é uma condição que faz com que a respiração seja interrompida durante o sono durante pelo menos 10 segundos por vez. Geralmente a apneia é acompanhada de roncos.

A equipe acompanhou 397 pessoas durante aproximadamente 20 anos a partir de 1990. Cada pessoa recebeu um teste de sono em casa para estabelecer ou não o diagnóstico de apneia obstrutiva do sono. Além disso, todos foram monitorados para desenvolvimento de câncer durante o estudo.

Analisando os resultados e levando em conta outros fatores de risco, os estudiosos descobriram que a apneia aumenta em duas vezes o risco de câncer e em mais de três vezes o risco de morte pela doença. Entretanto, ainda não é possível estabelecer uma relação de causa e efeito, sendo necessários estudos mais aprofundados.

Adote dez passos para prevenir vários tipos de câncer
Segundo o IBGE, o câncer é a segunda maior causa de mortes no Brasil - sendo responsável por 15,6% dos óbitos -, perdendo apenas para doenças cardiovasculares (como infarto e hipertensão). Isso se deve, principalmente, à maior exposição aos fatores de risco, como o cigarro, alimentação inadequada e o abuso do álcool. Em contrapartida, quem segue uma vida mais saudável consegue prevenir-se e diminuir os riscos de ter a doença. Para estimular a população na luta pelo controle e prevenção, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) lançou uma cartilha listando os dez passos que afastam a doença.

1. Não fume

Segundo estatísticas do Inca (Instituto Nacional de Câncer), o tabagismo é a principal causa de câncer evitável no mundo. Ao queimar o cigarro, as consequências são sentidas não apenas por quem fuma, mas também por todos ao seu redor. Para se ter uma ideia, 90% dos casos de câncer de pulmão tem o cigarro como responsável - os outros 10% são decorrentes do fumo passivo. O tabagismo também é o grande culpado por 30% da ocorrência de outros tipos de câncer, como boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e leucemia.

O cigarro carrega cerca de 4720 substâncias, sendo mais de 400 delas altamente cancerígenas. Algumas delas, como o benzeno, estão ligada ao câncer de fígado e leucemia. Já o alcatrão está diretamente relacionado aos cânceres de pulmão, vias aéreas, brônquios e bexiga. Veja aqui como as substâncias do cigarro afetam o organismo.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.