Condromalácia patelar: seis dicas para interromper as dores no joelho

Mulheres são as mais atingidas pela condição que pode causar dores constantes ou crises agudas

POR JÉSSIE PANEGASSI - ATUALIZADO EM 21/12/2016

Condromalácia patelar é um desgaste na cartilagem do joelho, numa região chamada condilo femoral, que acaba ocasionando dor e inflamação no local. Ela é mais comum em mulheres e é dividida basicamente em quatro níveis, de acordo com a gravidade do comprometimento da patela. Quem sofre com algum grau de condromalácia patelar pode experimentar muita ou nenhuma dor, independente do grau indicado no diagnóstico. Além disso, por causar uma inflamação, pessoas com condromalácia patelar podem ter crises agudas de dor que, nestes casos, necessitam de medicação.


Não há consenso sobre as possíveis causas da condromalácia patelar, mas os médicos acreditam que certas atitudes, como estresse repetitivo das articulações do joelho (quando se pratica esportes de corrida ou saltos, por exemplo), podem favorecer o seu aparecimento. Também pode estar relacionado a uma condição muscular fraca na região do joelho e quadril, ou a um trauma no local, como uma fratura ou deslocação.

Outros fatores incluem falta de alongamento, exercícios feitos de forma inadequada, sobrepeso ou obesidade, hiperpressão patelar, artrose e uso constante de saltos. Independentemente da causa ou o grau da condromalácia patelar, gênero ou idade, o paciente pode sentir dores constantes, ao fazer alguns movimentos, ou apenas ter crises agudas de muita dor. Algumas dicas ajudam a passar por todos esses momentos com mais conforto:

Manter um peso saudável

Qualquer tipo de sobrecarga da articulação do joelho pode favorecer o aparecimento da dor. Apesar do excesso de peso não ser o único fator que gera sobrecarga, ele pode favorecer a dor relacionada à condromalácia patelar. "O aumento da pressão é responsável pelo aumento da dor, independentemente do grau da doença. Se a pessoa tem grau um (mais leve) de condromalácia patelar e não se cuida, está sedentária, com sobrepeso e outros fatores ela pode ter dor, enquanto alguém com grau quatro (mais grave) que faz o oposto pode não ter dores", diz Sandra Umeda Sasaki (CRM 87197-SP), ortopedista do Hospital Sírio-Libanês.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.