Proteja seus olhos das ameaças de verão

A claridade pode causar desde inflamações até o comprometimento da visão

POR REDAÇÃO - ATUALIZADO EM 28/12/2011

Os cuidados com a pele, durante o verão, são preocupação bastante difundida, só que as precauções não param aí. "As pessoas estão começado a se conscientizar de que é preciso cuidar da pele durante o verão, mas esquecem que os olhos também necessitam de cuidados", afirma a oftalmologista Andréa Barbosa, da Clínica de Olhos São Francisco de Assis.

A principal ameaça da estação, sem dúvida, consiste no contato sem proteção com os raios solares. Entre as alterações mais comuns estão as ceratites (inflamações na córnea), a formação de pterígio (uma espécie de tecido carnoso que cresce sobre a córnea, podendo comprometer a visão) e até problemas graves, sem possibilidades de cura, na retina.

O uso dos óculos escuros ajuda na prevenção, mas sozinhos eles não afastam todas as ameaças. Também é preciso ficar atento aos casos de conjuntivite e também às bactérias presentes na água das piscinas e do mar, assim na areia da praia. Para garantir que seu verão será completamente livre de qualquer incômodo, tome nota das dicas que seguem.

Exposição solar

Para se expor ao sol com segurança, é preciso comprar bons óculos escuros, com certificado de proteção. O uso de acessórios sem lentes devidamente adaptadas é mais perigoso do que, simplesmente, sair por aí com os olhos desprotegidos. A decisão de compra dos óculos de sol deve levar em conta o nível de proteção contra a radiação ultravioleta (UVA e UVB) que as lentes oferecem: sua visão é preservada, assim como a pele das pálpebras e das bordas palpebrais (um tecido mais fino e, portanto, mais vulnerável ao câncer de pele).

"A luz solar é composta de radiações oriundas do sol e que, em seu conjunto, são formadas pelos raios infravermelhos, ultravioletas e seu espectro visível. Cada um traz malefícios específicos para os olhos", afirma o oftalmologista Renato Braz. Os ultravioletas podem causar queimaduras e câncer (pele das pálpebras), conjuntivites actínicas (conjuntivas), ceratites actínicas (córnea), aceleração da catarata (cristalino) e possibilitar a degeneração macular (retina), por exemplo.

Já os infravermelhos podem acelerar a catarata, principalmente nos casos de exposição prolongada. Os óculos não protegem só porque são escuros. É preciso atentar para a presença dos filtros e o certificado de garantia das lentes. Além disso, tome cuidado para escolher modelos que fecham também as laterais. Nos ambientes escuros, suas pupilas se dilatam, permitindo a passagem de mais luz. Caso use óculos que deixam a claridade entrar, lateralmente, você fica mais suscetível à ação nociva dos raios

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.