Hipertensão eleva o risco de doença renal crônica

Pressão alta afeta os rins se não for tratada, mas existem exames preventivos

ARTIGO DE ESPECIALISTA - ATUALIZADO EM 26/09/2016

Existe uma associação muito forte entre hipertensão arterial e lesão renal. A doença renal crônica, um grave problema de saúde no Brasil e no mundo, tem aumentado a sua prevalência nas últimas décadas - e as duas principais causas desse aumento são a hipertensão arterial e o diabetes. Isso quer dizer que um bom controle da pressão arterial e da glicemia também pode contribuir para a prevenção e até mesmo mudar o cenário da doença renal crônica.

PUBLICIDADE

A chance de um paciente hipertenso ter problemas nos rins será tanto maior quanto maiores forem os valores da pressão arterial e o tempo de exposição à hipertensão. Uma das primeiras alterações observadas em pessoas hipertensas é a perda de proteína pelos rins. Há um exame chamado microalbuminúria, que mede a taxa dessa perda. O normal é que uma pessoa elimine menos que 30mg/24hs de albumina por dia. A perda de 30 a 300 mg/24hs é o que caracteriza a microalbuminúria e perdas maiores que 300mg/24hs caracterizam macroalbuminúria.

Em média a alteração na taxa de excreção urinária da albumina precede em 10 anos a elevação da creatinina, que é um exame de rotina na avaliação do hipertenso, ou seja, na suspeita de agressão ao rim, o médico poderá em caso de creatinina normal lançar mão da dosagem da microalbuminúria para estabelecer um diagnóstico precoce de dano renal pela hipertensão (nefropatia hipertensiva).

Quando não é diagnosticada e tratada precocemente, a nefropatia hipertensiva - dano no rim causado pela hipertensão - evolui para estágios mais avançados, podendo chegar nos estágios finais da doença renal, o que leva a a necessidade de diálise, situação grave para o paciente e de alto custo para os sistemas de saúde, públicos e de convênios.

Os cuidados fundamentais para evitar o dano aos rins são o diagnóstico e o tratamento adequado da hipertensão arterial, do diabetes e também dos outros fatores de risco cardiovasculares. O acompanhamento médico regular e o uso correto dos medicamentos são muito importantes. Além disso, a adoção de uma alimentação saudável ajuda muito na prevenção do dano renal.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.