Pacientes com fibromialgia podem ter dificuldade para dormir; saiba tratar

Ainda não sabe qual a relação entre a doença e a qualidade do sono

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 26/05/2014

Dra. Ieda Laurindo
Reumatologia - CRM 40755/SP
especialista minha vida

Para qualquer indivíduo o sono deve ser uma experiência restauradora, todos devem se sentir mais bem dispostos ao levantar do que ao deitar. Para o paciente com fibromialgia é frequente ocorrer o inverso, o paciente acorda mais cansado do que ao deitar - é o chamado sono não-reparador. Cerca de 75% dos pacientes com fibromialgia relatam alterações do sono, particularmente sono não-reparador, atribuindo-se uma relação entre dor e alterações do sono. Entretanto, não existem evidencias comprovando esta relação, bem como não existem dados que permitam afirmar se estamos diante de uma relação causal, de uma consequência ou mecanismo de manutenção das condições de dor crônica.

PUBLICIDADE

A polissonografia é um método não-invasivo (vagamente semelhante a um eletrocardiograma, embora mais complexo) que permite o estudo dos padrões de sono. Em muitos pacientes com fibromialgia é possível observar uma arquitetura, um padrão do sono alterado.

O padrão normal de sono compreende diferentes estágios, que se repetem. No início da noite o estágio REM dura cerca de 10 minutos tornando-se mais demorado próximo ao despertar. Existe um aumento da latência para o início do sono, um aumento do número de microdespertares noturnos, redução da quantidade da fase restauradora do sono e mais intrusões de ondas alfas nos estágios caracterizados pelas ondas delta.

A importância do sono para o bem estar do individuo é clara e tem sido demonstrada em diferentes estudos. Uma noite bem dormida é necessária para recuperação de qualquer doença, é parte da convalescência e do crescimento. Privar um indivíduo do sono leva a alterações de humor, atenção, piora as dores pré-existentes, é uma forma de tortura.
Recomenda-se que o ambiente reservado para o repouso deva ser calmo, silencioso procurando-se "deixar as preocupações do lado de fora". Para alguns, anotar as obrigações do dia seguinte ou as preocupações do momento, dedicando alguns minutos da noite a programar o dia seguinte ou a compartimentalizar o que pode ou não ser feito, o que está ou não dentro da sua esfera de influência, pode ajudar.

Várias são as técnicas sugeridas, desde música suave, leitura, banho quente, aromas, exercícios de relaxamento. É importante também dormir e acordar em horários regulares, preferencialmente acompanhando a luz solar, favorecendo o ritmo circadiano.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Finalmente, existem medicamentos, diferentes tipos, que podem ajudar sem causar hábito. Sobretudo podem contribuir para um adequado repouso noturno durante a fase inicial de tratamento, durante o início de um programa de exercícios.
Como para qualquer doença o tratamento deve ser individualizado, o que funciona para um paciente pode ser totalmente ineficaz em outro. Esta é uma situação em que discutir as diferentes possibilidades com o médico, (procurando aquela mais adequada à personalidade e ao estilo de vida do paciente), permite alcançar os melhores resultados.

Referências

Affleck G, Urrows S, Tennen H, Higgins P, Abeles M. Sequential daily relations of sleep, pain intensity, and attention to pain among women with fibromyalgia. Pain. 1996;68:363-368

Anderson RJ1, McCrae CS, Staud R, Berry RB, Robinson ME. Predictors of clinical pain in fibromyalgia: examining the role of sleep. Pain. 2012 Apr;13(4):350-8. doi: 10.1016/j.jpain.2011.12.009. Epub 2012 Mar 3.

Bigatti SM, Hernandez AM, Cronan TA, Rand KL. Sleep disturbances in fibromyalgia syndrome: Relationship to pain and depression. Arthritis Rheum. 2008;59:961-967

Branco J, Atalaia A, Paiva T. Sleep cycles and alpha-delta sleep in fibromyalgia syndrome. J Rheumatol. 1994;21:1113-1117

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Dzierzewski JM, Williams JM, Roditi D, Marsiske M, McCoy K, McNamara J, et al. Daily variations in objective nighttime sleep and subjective morning pain in older adults with insomnia: Evidence of covariation over time. J Am Geriatr Soc. 2010;58:925-930

Edwards RR, Almeida DM, Klick B, Haythornthwaite JA, Smith MT. Duration of sleep contributes to next-day pain report in the general population. Pain. 2008;137:202-207

Fontaine KR, Conn L, Clauw DJ. Effects of lifestyle physical activity on perceived symptoms and physical function in adults with fibromyalgia: Results of a randomized trial. Arthritis Res Ther. 2010;12:R55

Nicassio PM, Moxham EG, Schuman CE, Gevirtz RN. The contribution of pain, reported sleep quality, and depressive symptoms to fatigue in fibromyalgia. Pain. 2002;100:271-279

O?Brien EM, Waxenberg LB, Atchison JW, Gremillion HA, Staud RM, McCrae CS, et al. Negative mood mediates the effect of poor sleep on pain among chronic pain patients. Clin J Pain. 2010;26:310-319

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Onen SH, Alloui A, Gross A, Eschallier A, Dubray C. The effects of total sleep deprivation, selective sleep interruption and sleep recovery on pain tolerance thresholds in healthy subjects. J Sleep Res. 2001;10:35-42

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.