Vacinação e cuidados durante o vôo fazem de sua viagem mais segura

Em viagens longas, passageiro pode se levantar a cada três horas

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 03/02/2005

Viajar é um ótimo recurso para descansar, conhecer novas culturas e se divertir. No entanto, é importante que as pessoas se previnam antes de embarcar, principalmente se os locais de destino possuem algum histórico de doenças infecciosas. "Em todas regiões do Brasil, principalmente na Norte e Centro-Oeste, há risco de transmissão de febre amarela, por exemplo. Recomendamos aos pacientes que tenham viagens marcadas para localidades de risco a tomarem a vacina contra o vírus causador da doença pelo menos 10 dias antes de embarcarem", alerta o infectologista Paulo Furtado.

O médico lembra que a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) possui um Centro de Informação em Saúde para Viajantes (Cives), que funciona desde 1997 e tem entre seus objetivos principais informar viajantes sobre as doenças endêmicas que podem ser encontradas em todas as regiões brasileiras e também no exterior. "Identificar os riscos de contrair doenças nos lugares para onde vai viajar é muito importante e, normalmente, é a última coisa que as pessoas pensam antes de curtir as férias", comenta.

De acordo com o infectologista, a eficácia de uma vacina depende, muitas vezes, da doença a qual ela combate. "A gripe e a febre amarela são apenas alguns exemplos de doenças que podem ser bastante atenuadas se o indivíduo for vacinado", informa, acrescentando que as medidas preventivas também são essenciais em certos locais. "Em áreas com risco de transmissão de malária, por exemplo, é importante fazer uso, sempre que possível, de calças e camisas de manga comprida e repelentes, visto que para essa doença não existe vacina."

PUBLICIDADE
Coágulos e crises de labirintite são comuns em viagens - Getty Images
Coágulos e crises de labirintite são comuns em viagens

Não transforme a viagem de avião em tortura

Muitos já desistem de viajar bem antes do embarque, ao pensar na distância que os separa do local escolhido para passar as tão sonhadas férias. Entretanto, um vôo longo não precisa ser encarado como uma tortura e, sim, como parte do passeio. Se o viajante seguir algumas dicas preciosas, os efeitos do jet lag (fadiga, insônia, dor de cabeça, dificuldade de concentração, entre outros) sentidos após o desembarque podem ser facilmente controlados. O clínico geral Fabrício Braga, da Casa de Saúde São José, explica que optar pelos vôos diurnos é a melhor forma de evitar o problema, porém explica que, caso o vôo seja noturno, dormir é o melhor remédio para livrar-se do desconforto.

"Várias receitas são indicadas para quem precisa fazer viagens com mais de dez horas. Entretanto, relaxar durante o vôo certamente garante um desembarque com mais disposição", comenta, alertando os que acreditam que tomar medicamentos para dormir e beber uma dose de uísque ajuda a aliviar a tensão: "Nunca faça uso simultâneo de bebidas e remédios. Desconhecemos os efeitos dessa perigosa mistura".

A roupa a ser usada na viagem também deve ser a mais confortável possível. A baixa pressão atmosférica na aeronave faz o corpo "dilatar" e, portanto, qualquer peça de roupa ou calçado vai parecer um número menor. "Há pessoas que têm a mania de viajar de terno. Isso é péssimo. Não há nada mais adequado do que uma calça de moletom, camisas largas e sapatos confortáveis", ressalta o médico, acrescentando que casacos são imprescindíveis, visto que a temperatura costuma ser baixa no interior da aeronave.

Segundo recente estudo publicado pela revista médica "The Lancet", um em cada cem passageiros pode sofrer de trombose venosa profunda em vôos de longa distância, mesmo se viajar na classe executiva, tomar aspirina ou usar meias de compressão. Pesquisadores neozelandeses entrevistaram 900 passageiros que ficaram pelo menos dez horas num vôo, numa média de 39 horas voadas em seis semanas. Embora 17% dos passageiros tenham usado meias de compressão e 31% tomado aspirina, foram descobertos nove casos.

Fabrício Braga, clínico-geral da Casa de Saúde São José, confirma que a trombose é um dos principais problemas para quem viaja por muitas horas, principalmente para as mulheres acima dos 50 anos e que tenham problemas de varizes. Ele explica que o problema, conhecido popularmente como "síndrome da classe econômica", provoca a formação de coágulos sangüíneos bastante perigosos nas pernas dos viajantes. "Apesar de serem 100% eficazes, as meias elásticas devem ser utilizadas. É bom que o passageiro também levante-se pelo menos de três em três horas", orienta.

Labirintite e vôo

Os que sofrem de labirintite, uma inflamação do labirinto, formação interna do ouvido que é responsável pelo senso de equilíbrio, não precisam se preocupar. Apesar de terem chances de sentir os efeitos da doença em momentos como o da decolagem e o da aterrissagem, eles podem ficar tranqüilos e, antes de viajar, tomar o medicamento com o qual já estão acostumados. "Quem sofre de labirintite, mesmo que não esteja com os sintomas, deve tomar o medicamento antes de viajar como medida profilática", informa o clínico geral.

Na opinião do especialista, quem viaja para o exterior principalmente deve ter sempre uma "mini-farmácia" na mala. "É muito difícil comprar remédios fora do país. Nos Estados Unidos, por exemplo, é preciso marcar consulta para conseguir a receita com a assinatura de um médico americano. Ter à mão analgésicos, anti-alérgicos e antibióticos que tenham efeito para infecções intestinais é sempre bom", frisa, lembrando que o telefone do médico de confiança também deve estar bem guardado caso surjam emergências.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.